Menu


Paloma Cristini 31.12.14


Retrospectivas são comuns nesse final de ano, não é? Poder recordar, com calma, e resumidamente, tudo aquilo que aconteceu no mundo e que parou, nem que seja por um minuto, todo mundo na frente da TV para saber o que estava acontecendo, seja um acontecimento histórico, uma tragédia que infelizmente sempre chama a atenção, ou até mesmo algo bem engraçado que marca o ano. Pois bem, o mundo dos games também acontece a mesma coisa, e não vamos deixar passar em branco a tamanha euforia que foi esse ano, cheio de anúncios, inovações, decepções e várias experiências novas.

Com o primeiro ano dos consoles PlayStation 4 e Xbox One no mercado gamer, aqui está a lista dos melhores e piores games do ano em 2014!

MELHORES JOGOS DE 2014

6 - Alien: Isolation


Finalmente a série mais aclamada de filmes de terror dos anos 70 conseguiu um representante a altura com o lançamento de Alien: Isolation. Ele é mais um Survivor Horror para salvar a “quase” extinção do gênero, esse título te faz usar um modo de sobrevivência ao extremo, ou seja, abusaremos da furtividade e das estratégia, e isso ao meio de cenários cheios de agonia. E para dar um gostinho de mais: o famoso Xenomorfo te persegue o game inteiro, e não pode ser morto com nenhuma arma encontrada no game... Um desafio e tanto!



5 - Metal Gear Solid V: Ground Zeroes


Com a nova engine já em ação, MGSV: Ground Zeroes, o game de Hideo Kojima veio para apresentar ao mundo a nova cara dos games atuais. Totalmente realístico e interativo, o game intitulado por muitos como “uma demo comprável” traz os cinemas para os consoles, de uma forma inovadora e totalmente nostálgica, para os fãs da série. Quem estava com saudades de um game onde a furtividade é a essência total, não pode deixar de apreciar mais uma das obras de arte de Hideo Kojima.



4 - Child of Light


Child of Light é aquele tipo de game com foco para o público infantil, mas que atingiu mais jogadores que o previsto, de todas as idades. O resultado? Marmanjos chorando pela incrível remodelagem em 3D em cenários de plataforma todos em 2D, cheio de traços que parecem obra de arte viva e com a trilha sonora que mais parece uma orquestra em pleno ato musical. Mesmo com um sistema de batalha demorado, Child of Light é mais daquele game para se relaxar, aproveitando cada beleza que o game possuí. Sonetos, poemas, simplicidade e rimas, compõem os diálogos na história que arrancou lágrimas em 2014.



3 - The Evil Within


A volta do Survivor Horror, que para muitos estava quase em extinção, teve seu auge alcançado com esse novo projeto de Shinji Mikami, o pai de Resident Evil. Mesmo com puzzles fáceis e alguns bugs, The Evil Within não deixou de lado os sustos e inimigos aterrorizantes que todo Survival Horror precisa!


2 - Valiant Hearts: The Great War


Como não se apaixonar por um game que tem um cãozinho como um dos protagonistas? Sabemos, é impossível! Valiant Hearts: The Great War é "filho" do mesmo estúdio e do mesmo motor gráfico de Child of Light, mas consegue emocionar ainda mais que seu “irmão”. Contando a história de quatro personagens principais em meio a Primeira Guerra Mundial, o game foca mais em puzzles e no próprio enredo, deixando apenas uma jogabilidade agradável para que o jogador consiga prestar atenção em cada detalhe do game, e se emocionar sem parar. E mais, o game é tão simples que pode ser apreciado por diversas idades!


Carregado de emoção, o clima deprimente junto das singelas trilhas sonoras, compõem uma atmosfera inédita no mundo dos games. O estudo da época também é explorado do game, já que  jogador passará a maior parte do tempo lendo arquivos sobre o período, para uma experiência mais completa. 

1 - Far Cry 4


O novo game da franquia Far Cry, mais uma vez, inovou em toda a sua temática. Mantendo a essência dos games anteriores, as melhores novidades colocadas em Far Cry 4 foram as melhoras na ambientação do game e extensão do mundo aberto, sem contar a interação nos cenários encontrados e, claro, no modo cooperativo, que permite você e seu amigo ater uma jogatina divertida, abrindo fogo nos inimigos por toda a região de Kyrat que aparecer pela frente, usando a estratégia e o companheirismo nessas horas.



Bônus - P.T. (Silent Hills)


Calma, não se desespere... Esse ainda nem foi lançado! Mas não tem como deixar o anúncio mais marcante do ano em branco. Quem não teve um ataque do coração ao anunciarem que a franquia Silent Hill iria voltar? E não bastava apenas o anuncio... Juntamente com o novo encarregado do projeto, Hideo Kojima, a Konami lançou o que todos conhecem como “teaser jogável”, intitulado P.T. , no PlayStation 4, causando ainda mais polêmica. 

Ambientado em um apartamento com visão em primeira pessoa, o jogador da teaser passa por diversos puzzles em cada passeio pelo o mesmo lugar do cômodo, chamando esse caminho repetitivo de loopings infernais, e em cada um deles, um puzzle a ser resolvido aparece... Isso, claro, com um fantasma gemendo em seu pescoço e preste a colocar um fim em sua pequena jornada. 

O teaser trouxe várias especulações do que seria tratado esse novo game da franquia Silent Hill, mas nada mais sobre tal game foi revelado, mas que deixou todos com a boca aberta assim que Guilhermo Del Toro e Norman Reedus foram vistos nos créditos finais da teaser isso, com certeza, deixou!

Nós do Co-op Geeks gravamos um gameplay completo de P.T. em nosso canal no YouTube, o resultado é um vídeo hilariante, e assustador, que você pode conferir logo abaixo:



PS: Estes 6 games se destacaram bastante nesse ano, mas outros games também merecem a sua atenção. São eles:

- Bayonetta 2;
- The Walking Dead: Season 2;
- Dark Souls 2;
- Assassin's Creed Rogue;
- Wolfenstein: The Order;
- Dragon Age: Inquisition;
- inFAMOUS Second Son;
- Hyrule Warriors;
- Pokémon OR/AS.

Somos bonzinhos, e não poderíamos deixá-los de fora (lembrando que remasterizações de jogos não entrarão nessa lista. Caso contrário, The Last of Us  e GTA V já estariam disputando o primeiro lugar, haha). 

PIORES JOGOS DE 2014

6 - Assassin's Creed Unity


Toda aquela euforia e esperança que a Ubisoft mostrou de Assassin's Creed Unity em todos os eventos foram por água abaixo assim que o game foi lançado. Exclusivo para os consoles da nova geração, o game trouxe um enredo e jogabilidade inovador, mas o desânimo com os diversos bugs e erros encontrados já nos primeiros minutos de gameplay foram o suficiente para milhares de jogadores reclamarem aos montes e deixar o game de lado. Mesmo com seu visual lindo, o título deixou a desejar em aspectos como gráficos e até mesmo um cuidado maior na hora do desenvolvimento, fora o enredo broxante que chega a ser intragável (se você jogou a história, sabe do que estamos falando).



Em Novembro, na época do lançamento do game, fizemos um review bem detalhado. Confira clicando aqui.

5 - Watch Dogs


Mesmo após os seus cincos anos de desenvolvimento, o título da Ubisoft decepcionou muitos jogadores e até mesmo os deixou com uma raiva assustadora. Mostrando gráficos aceitáveis na nova geração, e visuais completamente inconsistentes nos consoles da geração passada, a jogabilidade ERA realmente apaixonantes nos trailers e gameplays assim que o game foi divulgado.

No entanto, Watch Dogs pecou gravemente ao entregar um game com enredo mal elaborado, uma jogabilidade idêntica e piorada de GTA V e um protagonista menos carismático já visto até então, pois querendo ou não, um game para nos prender mesmo, precisa no mínimo desses três elementos principais que citamos. 

A Ubisoft deveria reembolsar os jogadores com algum game da empresa, porque esse realmente foi uma decepção total! Bom, ele tem uma ideia inovadora e interessante - afinal, estar na pele de um hacker que usa um celular para controlar diferentes eletrônicos e dispositivos de uma cidade inteira, é bem empolgante. 

As vendas foram excelentes, e a sequência já foi anunciada. Tomara que a empresa aprenda com os erros e traga o game superior ao que todos esperavam.


4 - Destiny


Intitulado por muitos como “o novo Halo”, Destiny foi alvo de críticas desde o lançamento de sua Beta e, assim que o game foi lançado, as críticas pioraram. Mesmo com aqueles cenários deslumbrantes, trilhas sonoras perfeitas e um estilo para todos os gostos, muitos não aprovaram a ideia de ter que viajar planeta por planeta para fazer missões e alcançar um nível de experiência reconhecível, o que é extremamente cansativo, considerando que ninguém gosta - e nem tem tempo para gastar - para ficar vidrado no console só para ganhar experiência, ainda mais da forma vagarosa que o game oferece. 



3 - Castlevania: Lords of Shadow 2


Estava ansioso para finalmente entrar no momento em que Gabriel Belmont iria se tornar o eterno Drácula da melhor forma possível? Então temos mais uma decepção para a lista. A continuação de Castlevania: Lords of Shadow trouxe uma jogabilidade travada, com inimigos fáceis de enfrentar e um enredo totalmente sem relações nenhuma com o protagonista... Sabe aquelas enredos de filme de terror que só servem pra dar susto? Então, tire os sustos e você tem o desenvolvimento de Castlevania: Lords of Shadows 2.


2 - Thief


Digamos que Thief é aquele game que “dá pra engolir”, mas não deixa de ter suas falhas e reclamações infinitas. Com um enredo de prender você do começo ao fim, o game não satisfez com o desenvolvimento da sonoplastia, que é capaz de te deixar perdidinho por causa da propagação do seu próprio barulho feito em cenário. Outro ponto negativo foi nas expressões faciais feitas para os personagens, pois como o game é em primeira pessoa, dá pra ver cada detalhe de tal falha. E um último detalhe: os cenários, mesmo com aquele tão medieval bonito da época, ele é totalmente escuro, dificultando um pouco o gameplay, mas isso é somente um detalhe que muitos comentaram. Thief vale o risco para quem gosta de um game com elementos de RPG’s e visão em primeira pessoa, caso contrário, nem tente!



1 - Analógico do Nintendo 3DS/Super Smash Bros. 3DS


Calma, não vamos detonar Super Smash Bros. para 3DS. Ele é um game muito bom, porém ninguém gosta de ter seu videogame portátil danificado, não é mesmo?

Os desastres ocorridos, por causa de Super Smash Bros. chamou a atenção não só dos usuários da Big N, mas sim de todos os gamers de todas as partes do mundo.

O portátil com um direcional analógico abriu inúmeras possibilidades na jogabilidade pois permite "andar na diagonal" com maior facilidade. Games como Mario Kart 7 e Zelda Ocarina of Time 3D mostraram como esta alavanca é bem fluida e útil. No antigo DS muitos games utilizavam a tela de toque: apesar de inovador, era um pouco cansativo - especialmente para canhotos que estavam acostumados em usar sua mão dominante nos direcionais tradicionais - fazendo a alavanca ser incrivelmente confortável. Mas nem tudo são flores nesta alavanca...

O relativamente recente Super Smash Bros. para 3DS requer um uso "mais bruto" dos botões. Resultado: nos primeiros dias depois do lançamento inúmeros casos de direcionais quebrados surgiram no Japão. O game Super Smash Bros. é realmente um grande aditivo para o mundo dos portáteis (os 3 primeiros games apenas saíram para consoles de mesa), porém, a jogabilidade não é das melhores. Os jogadores mais "hardcore" acabam se exaltando e realizam movimentos bruscos que, ao serem executados repetidamente danificam o direcional.

O New 3DS contará com um segundo direcional, o que em um update do game poderia servir para "shortcut" dos comandos que envolvem dar toques rápidos no direcional. A alavanca do 3DS é excelente, mas seu desempenho em SSB demonstrou que ela não é "perfeita".

Créditos

Texto: Paloma Cristini
Colaboração: Aluísio Jiménez Teixeira e Juninho Lima
Revisão e Imagens: Juninho Lima

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga