Menu
» » » » » » iZombie: Um zumbi nunca foi tão divertido


Bruno Bolner 8.7.15


Cultura pop é tudo de bom. E quando tem zumbis no meio é melhor ainda! Com tanto material novo circulando por aí com a temática zumbi, fica difícil decidir o que assistir, ler ou jogar. Os jogos que envolvem o tema buscam sempre o lado sombrio, procurando causar medo no jogador. Filmes e seriados, dentre tantos sobre o assunto, também partem pelo mesmo princípio. Há as exceções, como o jogo Plants vs Zombie, o Guia de Sobrevivência à Zumbis (Max Brooks) e o filme Todo Mundo Quase Morto, que abraçaram um lado mais cômico da coisa. Em relação à séries, faltava algo que fosse diferente e se destacasse. iZombie é baseado nas HQs de Chris Roberson e Michael Allerd, e chegou inserindo-se nesse aspecto cômico dos comedores de cérebros.

A História


A trama é sobre Liv, uma médica em um hospital que tem uma vida normal: família, amigos e seu noivo. Um dia, ela resolve ir à uma festa em um barco com uma colega de trabalho e lá acontece um surto psicótico com as pessoas, que começam a atacar uns aos outros. Sem ter muito para onde fugir, acontece uma grande tragédia.

Todos, com exceção de Liv, morrem, porém, Liv não está tão viva assim. Sem suas bochechas rosadas e seus cabelos em tons de loiro escuro, ela descobre que agora é um zumbi e sua vida vira de cabeça para baixo. Decide trocar seu emprego no hospital pelo necrotério local, termina o noivado com o homem de sua vida e acaba se afastando de todas as pessoas que se importam com ela. Bom, pelo menos ela tenta fazer isso.

Em contrapartida, ela começa a ganhar algumas coisas também, ao invés de só perder. Indo trabalhar no necrotério, tem acesso quase ilimitado a cérebros e pode fazer suas refeições da forma que desejar, seja uma batida de lóbulo frontal ou um ensopado do lóbulo parietal. Ao mesmo tempo que suas necessidades alimentícias são resolvidas, ela faz amizade com seu novo chefe, Ravi, um nerd engraçado que acaba descobrindo a condição de sua colega.

A fascinação de Ravi é imediata, pois é o único que sabe que zumbis existem e decide ajudar Liv, fazendo exames e tentando achar uma cura para reverter o seu atual estado. Uma das curiosidades do comportamento de Liv é que, toda vez que come um cérebro, ela adquire alguns trejeitos e vontades do dono de sua refeição, além de ter flashes da vida deles.

Como trabalham no necrotério da polícia, o detetive Clive, seguidamente, vai ao local verificar as condições das mortes das vítimas, e, num desses passeios, ele encontra Liv, que acaba tendo uma visão de um dos casos do detetive. Aí acabam se tornando quase que colegas de profissão, resolvendo os casos de assassinatos e corrupção envolvendo as vítimas.


Os episódios


Com episódios meio que independentes, o início da série é um pouco mais comum. Esses primeiros episódios são uma introdução de toda a extensão que a série é, deixando para dar uma guinada na trama a partir de sua metade. A partir daí, a trama começa a relacionar os acontecimentos e a criar um emaranhado de situações, que nos deixam com muita vontade de saber o que vai acontecer. O seriado não perde seu ritmo do início, no sentido de resolver os casos junto com Clive e Ravi, mas começa a ganhar um peso maior, com uma história que fica mais densa e interessante a cada novo episódio. O que não era tão preocupante de início, por fim, vai se transformando em um grande problema.

O diferencial





Ao contrário da tradição, onde zumbis são seres que não pensam e só querem comer cérebros, Liv é uma pessoa "normal", apenas com algumas características físicas alteradas e precisa comer cérebros para não se tornar o mais clichê dos zumbis.



Nossa protagonista é uma mulher-zumbi forte e corajosa, bastante determinada em ajudar a resolver os casos junto com Clive e Ravi, ao mesmo tempo que tenta colocar sua vida nos trilhos novamente.



O tom cômico está presente em praticamente todos os episódios, tendo boas sacadas e criando um ambiente divertido. É uma comédia com doses certas de humor, tendo momentos muito engraçados, principalmente por causa da ótima atuação de Rose Mclver. As visóes e as transformações comportamentais que a protagonista sofre, ajudam muito a elevar o humor do seriado.



Há, também, o lado dramático da série, envolvendo as relações pessoais de Liv, seja com sua família, amigos ou seu ex-noivo. E também há o lado de suspense, que gera curiosidade com o que vem pela frente, mas o mais legal é que sempre somos surpreendidos, porque quase nada é óbvio nesta série.

Outro ponto que é muito bacana, é a utilização de referências à outros clássicos da cultura pop, como Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado e Game of Thrones. Sejam tanto em algumas falas ou pequenas citações, quanto a um episódio inteiro servindo de homenagem, as referências são perceptíveis e muito bem vindas, contrastando perfeitamente com o que está acontecendo.

O veredito


iZombie consegue ser um seriado muito divertido, bastante engraçado e que se destaca num tema que quase nunca é levado à outras covas, quer dizer, à outros lados que não o suspense/terror. Faz uma boa mistura de situações cômicas, aventuras policiais e um pouco de drama, com uma trama que se desenvolve bem e fica mais densa e interessante conforme avança.

Peguem seus pipocérebros e deem uma chance ao lado cômico de um dos temas mais legais da cultura pop. Pelo menos algumas risadas são garantidas!

Ficha Técnica

Título original: iZombie
Ano: 2015
Criadores: Rob Thomas e Diane Ruggiero-Wright
Emissora de TV: The CW
Elenco: Rose Mclver, Rahul Kohli, Robert Buckley, Malcolm Goodwin, David Anders, Alyson Michalka, Molly Hagan e Nick Purcha

Créditos

Texto e Imagens: Bruno Bolner
Revisão: Juninho Lima

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga