Menu
» » » » The Witcher 3: Um noob no mundo RPG


Juninho Lima 4.7.15


ATENÇÃO: Se você espera encontrar formalidade, jornalismo de verdade (jornalismo de joguinhos para os mais sabichões risos), e seriedade, esse artigo não é pra você.

Quem nunca ficou interessado em um jogo do qual nunca havia experimentado, apenas por causa do sucesso dele e o "hype" que ele criou nas pessoas ao seu redor? Foi assim comigo, ao comprar The Witcher 3: Wild Hunt

Sim, eu confesso que segui a "modinha The Witcher 3" (acabei de dar esse nome) só porque tava todo mundo pirando a cada notícia que saía, e por mais que eu jamais tenha me interessado pela franquia em outro momento, me senti tentado a comprar, pois tudo que era mostrado do game, até então me agradava. prfvr, olha esse trailer:


Aí você me pergunta: "Juninho, você tem familiaridade com jogos de RPG?", não meu amigo, eu nunca havia tido qualquer experiência com o gênero, além de algumas horas sofridas em Pokémon (acho que nem conta, né?).

Eu me meti a entrar "de cabeça" no mundo de The Witcher, e vi vários vídeos dos jogos anteriores e pesquisei sobre o enredo para não ficar "boiando" durante a jogatina, mas tenho que contar que fiquei apreensivo, pois por mais que eu adore fantasia e seja um fã assíduo de Game of Thrones, o mundo de Geralt parecia complicado demais pra um noob em jogos gigantescos de progressão lenta (não pense que sou um gamer mimado-chatinho-que-não-tem-paciência-pra-jogos-que-são-difíceis-porque-eu-não-sou-ok?-ok!).

Pros desinformados, The Witcher 3: Wild Hunt é um game que mistura fantasia com ação. Baseado em elementos de RPGHack'n Slash, o game possui um bruxo caçador de monstros chamado Geralt De Rivia como protagonista. E nesse terceiro título, Geralt procura por sua pupila Ciri, outra bruxa, enquanto soluciona mistérios e conspirações envolvendo um grupo chamado "Caçada Selvagem", que busca exterminar a sua raça e tem um interesse especial por Ciri.

Poserando e criando palavras novas


Depois dos poucos meses de espera, até porque quando anunciaram eu "caguei" pro jogo (se você tá me xingando, pensa assim: quando anunciam um jogo que você não conhece, você nem liga pra ele e segue a sua vida normalmente, né não?), eu comprei o jogo e com ele em mãos, eu estava me sentindo uma criança no Natal. Se você não se sentiu assim, tenho que te falar que você é muito chato. Tipo, você compra o jogo, ganha adesivos, mapa, guias e ainda a trilha sonora do jogo... É PRA APLAUDIR DE PÉ, IGREJA!!!

Após o surto de alegria pelos "brindes", fui logo colocando o game no PS4 e comecei... E cara, a primeira sensação com um RPG é bem engraçada, porque horas, parecem minutos e você não sossega até ver algum acontecimento, atingir certo nível, ou obter um item/armadura/arma específico. Que mágica é essa?

Me encontrei em "solo" desconhecido, mas ao mesmo tempo, eu gostei da sensação de estar descobrindo algo totalmente novo.

Mas desembucha, você tá gostando do jogo?


No momento, tenho 97 horas de gameplay, e sinto que ainda estou longe de terminar, e nem quero terminar tão cedo. A força que a narrativa somada ao mundo aberto mega imersivo tem, faz de The Witcher 3: Wild Hunt, um dos melhores jogos que já joguei.

A história traz nuances de aventura, fantasia, romance e até terror, tornando o gameplay dinâmico e envolvente. Por vezes você vai se surpreender com o sentimento de empatia que o jogo transmite, fazendo o jogador pensar mil vezes antes de responder algo, ou matar alguma criatura/personagem. 

A Quantic Dream e Telltale Games são conhecidas por trazerem a liberdade de escolha que influencia no desenrolar do enredo de seus jogos, mas pela primeira vez, senti de perto o peso de minhas decisões em um game, e isso é o maior diferencial de The Witcher 3: Wild Hunt.

Os visuais do game são belíssimos e a julgar pelo mundo gigantesco e bem construído, os gráficos são de deixar qualquer um boquiaberto. Olha aí uma amostra que eu mesmo capturei do game:


Até o momento meu level é 18, me acho o melhor em Gwent (brinks, gente) e tô amando cada vez mais The Witcher 3! Pretendo jogar outros RPGs quando tiver mais tempo, até porque eu tenho vida e já temos quase 2 meses do lançamento do game e só agora eu vim escrever sobre ele, e tenho apenas 97 horas de jogo. Tá feio hein, Juninho?

Resumo da "ópera" (pra quem leu até aqui)

Se você leu até aqui, e aguentou minha maneira maluca e talvez, informal até demais de me expressar, saiba que a mensagem que quis passar é bem simples: muitas vezes ficamos de olhos fechados para a diversidade no meio gamer. É muito comum, nos limitarmos a estilos de jogos que estamos acostumados desde sempre, e arriscar a jogar um gênero novo pode ser a fórmula correta para você conhecer novas franquias e realidades diferentes. The Witcher 3 foi o jogo que me inseriu no mundo dos RPGs; talvez aquele jogo de ação/aventura/survival horror/plataforma que você tanto "torce o nariz", te inclua na amplitude que o universo dos videogames oferece. É só ter a mente aberta e o coração receptivo. LISPECTOR, Juninho (tive que zoar, sorry).

Brincadeiras à parte, eu pretendo fazer um review completinho (e com mais seriedade, porque eu sei escrever "certinho" também, viu gente?), assim que eu terminar The Witcher 3: Wild Hunt, então fiquem de olho na nossa Página no Facebook e nosso Twitter!

E se assim como eu, você é/se tornou fã de The Witcher, curta a página The Witcher 3 BR e entre para o grupo deles, onde mais fãs esperam por você!

Créditos

Texto:Juninho Lima
Revisão: Steven L. Andrade
Imagens: Juninho Lima

O texto apresenta as opiniões dos autores do texto, e não do site Co-op Geeks 

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga