Menu
» » » » Uma breve experiência com o Oculus Rift


Bruno Bolner 10.8.15


Para quem ainda não sabe do que se trata, o Oculus Rift é um gadget de realidade virtual, desenvolvido pela Oculus VR e possibilita que o usuário possa visualizar cenas virtuais de forma realista. O produto ainda não está sendo comercializado normalmente e, até que o público possa colocar as mãos neste aparelho, seu uso está restrito apenas à alguns privilegiados, principalmente empresas do ramo de tecnologia, e tem muita gente querendo por as mãos nesse brinquedinho. 

Em Florianópolis, aconteceu o Lemonade Experience, um evento para mostrar ao público algumas das novas tecnologias que estão no mercado e algumas que ainda não foram lançadas. A parte ruim do evento foi o pouquíssimo tempo para poder experimentar essas novidades, entre eles, o Oculus Rift.

O uso dele é bastante confortável, com a possibilidade de ajuste, melhorando a fixação ao rosto e garantindo que não caia. Desta forma, não prejudica o usuário durante sua experiência e garante que ele esteja confortável. Tem uma anatomia que se encaixa bem na cabeça, não machuca o rosto e, principalmente, o nariz. Apesar de ser grande e parecer pesado, é razoavelmente leve e não cansa o pescoço. Vale lembrar que foi testado por pouco tempo e durante esse período foi totalmente confortável.

O Oculus Rift se ajusta ao seu rosto sem grandes problemas e é extremamente confortável.
O jogo disponível não era conhecido, mas era um game de corrida no mesmo estilo Mario Kart, mas que, provavelmente, foi adaptado apenas para o evento. Óbvio que o objetivo dele era chegar na primeira colocação e, é claro, eu cheguei em 4º... de 5. Faz parte... Mas o motivo disso foi a tentativa de aproveitar para tirar o máximo da experiência com o Oculus Rift. ~~desculpa de noob~~

A imagem que é possível conseguir com o Rift é muito bonita. Parando para analisar somente a qualidade da imagem, é possível comparar com a qualidade dos melhores televisores do mercado hoje. E a sensação de profundidade obtida é muito real. Dá pra sentir que estamos dentro de um mundo diferente, mesmo que o game tenha um traço de desenho animado e não tenha muito realismo visual, como era o caso do título disponível.

Logo que comecei a jogar, enquanto as luzes do semáforo ficavam verdes, eu acelerava incontrolavelmente e o carro começou a se movimentar, senti uma tontura causada pela movimentação do jogo. A motivação desta sensação de tontura se deu exatamente pela imersão disponibilizada pelo Oculus Rift, pois o cérebro está ciente de que estamos parados, mas o que nossos olhos captam, bagunça toda nossa percepção, causando um conflito sobre o que é real e o que não é. Vale salientar, que havia avisos sobre possíveis enjoos e ataques epiléticos para pessoas fotossensíveis.


Existe uma grande sensação de realidade, no entanto, podem existir desconfortos durante a experiência.
Para mim, foi um desconforto passageiro, pois passou rapidamente. Logo que o cérebro se acostuma com a nova ambientação, e esquece que há um aparelho preso na sua cabeça, se torna muito fácil iludir o cérebro e criar essas sensações de se estar dentro de um jogo de videogame. Um fator que ajuda muito nessa imersão, é a possibilidade de poder girar o corpo e olhar tudo à sua volta. Os sensores de direção são bastante precisos e tem papel fundamental para que possamos "entrar" no jogo.

Um ponto negativo foi sentido durante as telas de loading do jogo. Como a imagem está muito próxima dos olhos, quando uma tela muda radicalmente, ficamos meio desnorteados até que possamos organizar a quantidade de informação repentina que nossos olhos captam.

Apesar disso, a experiência é muito bacana e deixa uma vontade enorme de ter um aparelho de realidade virtual em casa. Apesar de ser muito interessante e possibilitar novos patamares nos ramos tecnológicos, o uso contínuo por um longo período pode causar sérios problemas de saúde e deve ser usado com moderação.

Durante a E3 2015, foram anunciados 5 novos jogos que estão sendo desenvolvidos exclusivamente para o Oculus Rift. São eles: Damaged Core, VR Sports Challenge, Esper, AirMech VR e Lucky’s Tale. Outros já estão em fase avançada de desenvolvimento, como Chronos, Eve Valkyre e Edge of Nowhere, e a parceria com a Microsoft renderá jogos como Halo, Forza e Sunset Overdrive, compatíveis com a tecnologia de realidade virtual do Rift no Windows 10.

O lançamento do Oculus Rift está marcado para o início de 2016. E já estamos reservando nosso dinheirinho.


Créditos

Texto: Bruno Bolner
Imagens: Juninho Lima

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga