Menu
» » » » O que esperamos de Assassin's Creed Syndicate


Juninho Lima 22.10.15


Sempre que o assunto é Assassin's Creed a situação é parecida: a pessoa tenta desconversar, relevar e se ela for fã da franquia vai tentar contornar o assunto só pra que não toquem na ferida dela. Mas se você clicou nesse preview, é porque você está preparado para enfrentar a realidade e ver se a Ubisoft trará a série de volta aos seus anos de estrelato - como promete. Bem-vindos ao nosso preview de Assassin's Creed Syndicate.

Novos ares, mais do mesmo


Assassin's Creed Syndicate foi anunciado "de surpresa" nesse ano; e muita gente não se lembra, mas em Dezembro do ano passado, algumas imagens do game já tinham vazado e na época, seu nome era Assassin's Creed Victory

Estamos no século XVIII, na época Vitoriana de Londres. As tecnologias industriais estavam evoluindo e os mecanismos que utilizavam carvão e vapor como combustível estavam em alta. A burguesia precisava de operários, e os mais desafortunados sofreram com isso - já que trabalhavam muito e recebiam pouco por isso. 

Em uma luta de direito, surgiram os sindicatos; as gangues dominaram Londres pouco a pouco e é nesse caos que Assassin's Creed Syndicate introduzirá os jogadores.

Nada de franceses sem carisma desta vez. O protagonismo fica por conta do falastrão Jacob Frye e sua irmã gêmea certinha, Evie. Em uma época que a irmandade assassina está em decadência - como todo início de arco cronológico em Assassin's Creed, o futuro da ordem está nas mãos deles - apenas mais do mesmo.


Promessas são apenas promessas - até que se concretizem

No anúncio de Syndicate, o grupo de desenvolvedores responsável também por Unity se mostrou decepcionado com a recepção que o game teve por causa dos bugs, da história e personagens rasos, e prometeu fazer diferente no novo título e entregar o jogo que redimiria a série e faria os fãs felizes novamente.

De fato, Unity errou bastante e trouxe um sentimento de indiferença para a base de fãs e jogadores de Assassin's Creed, e como fã da franquia, eu te entendo se você estiver lendo esse preview com pouco interesse. Mas será que a Ubisoft realmente aprendeu a lição? 

Todos esperam que a Ubisoft tenha aprendido com os erros de Unity.
Nas prévias de gameplays liberadas, a sensação é que estamos vendo Assassin's Creed Unity em uma nova cidade, com novos personagens - o que já era esperado; é só relembrar da evolução quase nula de Assassin's Creed II para Brotherhood, que não foi um crime muito grande, já que os dois títulos foram ótimos. Só esperamos que o gosto amargo que Unity deixou na boca dos jogadores, não piore ou continue em Syndicate.

A única coisa que queremos, é que a grandiosidade do jogo não seja o foco, mas sim a qualidade de enredo que se entrelaça com a diversão e progressão do gameplay. Nada de romances frustrados, ou histórias muito fechadas. Queremos ver mais sobre a ordem daquela época sendo o foco, como sempre foi.

Uma cidade movimentada, exige rapidez

Fora a remoção do multiplayer, todas as inovações de Unity foram mantidas, e algumas coisas novas foram adicionadas - agora é possível andar de carroça pela cidade inteira, e subir nos telhados através de um gancho com corda, que facilitará a exploração da enorme Londres.

A tecnologia da revolução industrial reflete muito em Syndicate. Nada de correria de um ponto de viagem rápida a outro que te dará muita preguiça só de pensar no loading entre um os locais - o que você precisará fazer é roubar uma carruagem no melhor estilo Grand Theft Auto e sair dirigindo pelas largas ruas de Londres. E se precisar atravessar telhados muito autos, não precisarás mais escalar os grandes prédios - basta apontar o braço pro alto e lançar o seu arpão que te colocará no topo em segundos.


Essas melhorias vieram numa boa hora, sem dúvidas, já que a série está cada vez mais se apoiando na ação e abordagem direta. No entanto, essas melhorias também afetam o modo furtivo - estilo em que a série foi pensada e se consagrou. E esse é outro ponto forte de Syndicate.

Escolha a sua abordagem


O fato da série cada vez mais se distanciar da furtividade em seus mais recentes lançamentos, dividiu um pouco a base de fãs, já que alguns gostam mais da ação e outros da furtividade. Em Syndicate temos dois protagonistas: os gêmeos Frye; e a aposta da da vez da Ubisoft é ter um gameplay diferenciado em que o jogador terá momentos em que será obrigado a encarar tudo de frente, mas em outros, se for visto, a missão falhará. Cada personagem tem seu próprio estilo de assassinato e habilidades.

Jacob representa o combate.
A era Vitoriana de Londres influenciam nessa abordagem. Era proibido para civis - que geralmente eram simples trabalhadores, portarem qualquer tipo de arma. Isso faz com que nossos assassinos sejam obrigados a fazer o uso da lâmina oculta com menos frequência e para Jacob sobrou a pancadaria. Ele utiliza uma bengala que serve tanto como cassetete, como arma branca ao revelar uma longa lâmina de seu interior, além de poder equipar um soco inglês para ajudá-lo na abordagem direta.


Evie representa a furtividade.
Evie tem a responsabilidade de não assassinar, mas obter informações e se infiltrar em locais. Além da habilidade de ficar invisível por alguns segundos (?) - outra habilidade no sense que infelizmente pegaram de AC Unity, e poder andar com bombas elétricas, ela é mais rápida no parkour do que Jacob e é perfeita para matar e surrupiar coisas sem ser vista.

A remoção do multiplayer, para mim, é um regresso em Syndicate. Não é preciso remover uma das melhores novidades do último jogo para dar um foco maior na experiência individual da campanha para um jogador.

Ainda não foi mostrado, mas espero que o sistema de personalização visto em Unity permaneça, já que a escolha de itens e roupas que definiam o estilo de abordagem que o jogador mais apreciava.

O foco correto

Já deu pra ter uma ideia do que irá acontecer apenas através dos trailers. Jacob e Evie se vêem cansados dos males que a revolução industrial está causando para os mais desafortunados e decidem liderar os sindicatos que lutarão pela reforma política e lutarão pelos direitos dos trabalhadores. Já foi revelado que muitas personalidades históricas estarão no jogo, assim como os anteriores. Mas ao que parece, não ficarão no background como no último jogo.

O período em questão é riquíssimo e sua abordagem pode ser muito ampla - afinal estamos em Londres. Esperamos que como nos primórdios da franquia, esse período seja o condutor da história do credo de assassinos no século XVIII.


A história pessoal de Evie e Jacob pode muito bem ser acrescentada no enredo da época, só não queremos ser obrigados a revisitar fatos que não farão a mínima diferença para a cronologia da série. 

E por falar nos protagonistas, esperamos de verdade que eles sejam empáticos e com personalidade natural. Chega de protagonistas falastrões com falas forçadas, com pouco carisma.

Interação com o jogador

Uma das poucas coisas que Unity acertou, foi na interação com o jogador. Foi incrível se sentir parte do credo de assassinos e hacker dos servidores da Abstergo nos tempos atuais.


O projeto fênix e a busca pelos sábios também ganharam um novo patamar no último jogo. Esperamos que apesar da decepção com Unity, sua progressão na história seja inutilizada - afinal, os assassinos do tempo atual sabem a localização do DNA precursor e a Abstergo está sedenta por essa informação.

Progredindo e regredindo ao mesmo tempo

Além do multiplayer que foi removido sem necessidade, o jogo teve um downgrade notável se comparado ao título anterior. Com certeza isso se deve por causa dos bugs vistos em Unity. Certamente os produtores resolveram sacrificar a qualidade gráfica do game, no intuito de ter menos problemas com o lançamento e ele ser reproduzido sem muito dificuldade pelos consoles da atual geração.

Por outro lado, Syndicate promete ter a melhor trilha sonora de toda a série. O estimado compositor Austin Wintory - que trabalhou no épico Journey e The Banner Saga, quem compôs as trilhas do game e promete um envolvimento a nível sentimental dos jogadores com o novo game - e nós não duvidamos disso. Confira o trailer cinemático do jogo, apresentado durante a E3 2015, com uma das músicas compostas por Austin:


Triste indiferença

Se você assim como eu acompanha a franquia Assassin's Creed, deve estar com o mesmo sentimento de: "ai, mais um Assassin's Creed que vai ser caro, vai ter várias DLC's, uma história fraca com foco nos gráficos e jogabilidade". Talvez não seja tão ruim estar com esse sentimento, já que se Syndicate for tudo aquilo que os desenvolvedores estão prometendo, a surpresa será maior e a felicidade em investir na franquia não se tornará um arrependimento após finalizar o jogo.

Assassin's Creed Syndicate será lançado amanhã (23), e infelizmente, por enquanto ele é um jogo que só comprarei quando o preço abaixar e realmente valer a pena. Ou se ele for realmente bom, e algum amigo me convença que estou errado acerca desse desdém todo.

E já vai preparando uma boa grana, pois além do jogo, a Ubisoft já tem uma DLC de história no gatilho, e o título terá o sistema pay for win que poderia ter morrido depois de AC Unity. Assista o trailer da expansão que trará um´capítulo inteiro focado em um dos maiores serial-killers de Londres - Jack, o estripador:


Hypômetro do Co-op Geeks



Gráficos: 7
Gameplay: 7
Novidades: 4
Enredo: 5
Personagens: 5
Cenários: 8
Soundtracks: 10
Diversão: 7

HYPE: 6,5

Para saber ainda mais o que eu e o André Ceraldi do Assassin's Creed BR esperamos de Syndicate, assista e ouça nosso PLAYcast:



Ficha Técnica

Título: Assassin's Creed Syndicate
Lançamento: 2015

Créditos

Texto: Juninho Lima
Revisão: Steven L. Andrade

O texto reflete as opiniões do autor do texto, e não do site Co-op Geeks.

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga