Menu
» » » Retrospectiva: os melhores e piores jogos de 2015


Paloma Cristini 30.12.15


E lá se vai 2015, um ano em que o mercado gamer teve seus altos e baixos e, com dificuldades em algumas partes, nos entregou novos mundos e novas aventuras. Amados por uns, odiados por outros, aqui estão os melhores e piores jogos do ano, com o resumo dos lançamentos em destaques desse ano que se despede.

Melhores de 2015


The Witcher 3: Wild Hunt - O novo RPG da desenvolvedora CD Projekt RED fez tanto sucesso mesmo antes do seu lançamento em 19 de Maio; e quando chegou nos consoles do povo, a satisfação foi imensa. O mundo aberto da série The Witcher voltou aperfeiçoado e as aventuras protagonizadas pelo carismático Geralt de Rívia acabou garantindo o prêmio de Game of The Year (Jogo do Ano) pelo The Game Awards.

Metal Gear Solid V: The Phantom Pain - O final da era Metal Gear Solid levou o público ao delírio já no teaser de anúncio, e após o lançamento, no primeiro dia de Setembro, foi somente elogios lotando as redes sociais. Mesmo com o lançamento posterior do modo online, o mundo aberto oferecido pela primeira vez na série se tornou um vício imediato para os jogadores, e o game conseguiu ser indicado para o prêmio Game of The Year, mas por causa dos cortes sofridos pela briga "Konami x Kojima" (que falaremos mais adiante), o game não teve o impacto que precisava para levar o prêmio.

Resident Evil Revelations 2 - Para os fãs da série, foi "um passo na direção certa", que mostrou que Resident Evil ainda pode ter terror e enredo penetrante. Com a volta da heroína Claire Redfield e do durão Barry Burton, o game lançado em formato episódio de Fevereiro à Março, foi o representante da Capcom nesse ano.

Until Dawn - O game de terror deixou a Sony boquiaberta em ver o tamanho do público que conseguiu alcançar mesmo com seu enredo cheio de clichês; já que foi influenciado através de filmes clássicos de terror como  "Pânico" e "Jogos Mortais" - Until Dawn teve, sem dúvida, o maior número de jogadores em frente a TV nesse ano. O jogador é desafiado a tomar diversas decisões que pode significar vida ou morte num suspense arrepiante. Lançado no dia 28 de Agosto, o game não consegue ser esquecido até hoje.

Life is Strange - O game de baixo orçamento conseguiu um espaço enorme no mercado gamer com seu enredo simples, porém tocante, fazendo com que o jogador queira sempre saber o que vem depois de cada cena do jogo. Tendo controle de Max e, com a ajuda da sua melhor amiga Chloe, o game vai desenrolando através dos mistérios da cidade Arcadia Bay e prende qualquer jogador. O primeiro episódio do game fora lançado no dia 30 de Janeiro.

Super Mario Maker - Mas é claro que não podemos esquecer do aniversariante mais importante do ano, a série Super Mario, que completou 30 anos. Para comemorar a data tão especial, a Nintendo lançou o Super Mario Maker, no dia 11 de Setembro para Wii U, que consiste num game de criação de fases ambientadas em diversos cenários dos diversos games que o encanador italiano protagoniza. A brincadeira, aqui, é soltar a imaginação e dar vida a seu próprio game do Mario. O game também foi indicado para o Game of The Year.



Outros games também merecem destaque como alguns dos melhores do ano:


- Batman: Arkham Knight

- Bloodborne

- Resident Evil: Revelations 2

- Star Wars: Battlefront

- Halo 5: Guardians

- Xenoblade Chronicles X

- Just Cause 3

- Fallout 4

Os Indies, também tomaram conta de 2015 e tiveram seu lugar ao Sol.


Rocket League -  O melhor título de multiplayer de 2015 que coloca o jogador numa partida de futebol com carros foi, sem dúvida, o grande sucesso desse ano em questão de games indies, lotando o YouTube de gameplays e brincadeiras diversas.

Ori and the Blind The Forest - O indie do Xbox One veio com aquela pitada de nostalgia para quem adora games no melhor estilo Metroid de ser, onde é conectado vários cenários de um mundo, que o jogador vai desbloqueando conforme avança no game. O sucesso foi tanto que uma versão para PC já foi lançado também e não deve demorar muito para chegar ao Xbox 360.

Never Alone - O game conta com o enredo em torno de diversas lendas e histórias da tribo indígena Iñupiat, comum na historia cultural do Alasca, que é onde o game é ambientado. O modo cooperativo entre o protagonista e sua fiel raposa, garantiu o sucesso do game nesse ano.

Toren - o representante nacional que garantiu um super sucesso entre os indies no PC e PS4 esse ano mostrou que o Brasil também é forte nos games. Direto dos estudios de Porto Alegre, Toren conta a história de uma moça que quer conquistar sua liberdade e salvar o mundo em seu percurso emuma torre altissima.

Mobiles também não ficam de fora da lista:


Lara Croft Relic Run -  Aqueles clássicos jogos de corrida que tem para celular, agora, tema musa os games como protagonista, caçando tesouros e usando sempre seu charme com armas para atirar nos obstáculos em seu caminho. 

Final Fantasy Record Keeper -  Um RPG free-to-play para os fanaticos por Final Fantasy, onde leva os jogadores a quase que reejogarem batalhas e quests epicas conhecidas na série de sucesso da Square Enix. Indispensavel para qualquer fã da franquia. 

Os piores de 2015


The Order: 1886 - O game que prometeu trazer o máximo de aproveitamento que o PlayStation 4, ficou só na palavra mesmo. Reclamações como gameplay de tempo muito curto e custscenes gigantescas ofuscaram o lançamento do game, que foi no dia 20 de fevereiro, e decepcionou os jogadores - apesar de ter um dos melhores gráficos da atual geração.

Battlefield: Hardline - A aposta da série por um enredo mais atual, colocando os jogadores para jogarem, literalmente, aquele pega-pega de polícia e ladrão não agradou nem um pouco o mercado dos games, tendo problemas também no modo online e alguns bugs clássicos, que deixou o público muito furioso. O game foi lançado no dia 17 de Março e logo depois foi esquecido das prateleiras das lojas.

Rise of The Tomb Raider - Pensamos e repensamos mil vezes antes de colocar a nova aventura da nossa musa dos games entre os piores do ano, mas infelizmente, não tivemos escolha. Calma, vamos explicar... Não tivemos a tão aguardada sequência das aventuras da Lara Croft que queríamos e esperávamos ver. O enredo apresentado no game frustou tanto os jogadores que, mesmo com a jogabilidade melhorada no game, os jogadores ficaram bem desanimados em jogar. Para saber melhor sobre essa frustração toda, assista nosso vídeo:


Outros também fizeram feio esse ano:

- Call of Duty:Black Ops III

- Dying Light

- Tales of The Borderlands

Tem uma retrocompatibilidade na polêmica a seguir


Ainda nesse ano, o mundo gamer deixou um pouco de se focar nos lançamentos e prestou mais atenção as utilidades que os consoles da nova geração poderiam trazer para seus usuários, e o grande destaque dessas utilidades foi a retrocompatibilidade.

A Micosoft anunciou, durante a E3 2015, que uma nova atualização estaria disponível para o Xbox One, e que com essa atualização traria a possibilidade de jogar games lançados para Xbox 360 no Xbox One, e tudo isso de uma forma bem simples e sem custo algum: o usuário deverá obter o game desejado do Xbox 360 em mídia física ou digital, em sua conta usada no console. Na parte digital, é somente baixar novamente o game, e na parte física, o usuário terá que colocar o DVD do game escolhido no Xbox One (original, claro), fazer um download da cópia virtual do game e pronto (o usuário terá que manter o DVD no console, nesse caso).

Esse sistema já conta com mais de 100 jogos, como Assassin's Creed II, todos os games da série Gears of War, Fallout 3, Fable II e diversos outros, e a empresa garante aumentar a lista conforme o passar do tempo.

Já a Sony, que adora uma competição, viu que a ideia agradou o público e também lançou a sua retrocompatibilidade... Só que não!

A questão é que a Sony decidiu disponibilizar games lançados para o PlayStation 2 no PlayStation 4, através de emulação, mas a decisão foi tomada tão rapidamente que a empresa não fez direito e a execução da retrocompatibilidade não é vantajosa: você simplesmente precisa comprar o game pela PS Store para jogá-lo. Ou seja, não adianta ter o jogo, você precisará comprá-lo novamente. FAIL HEIN DONA SONY?

O ano das Remasterizações


A nova geração veio com o intuito de mostrar ainda mais a força dos consoles para o mercado dos games, mas também não se deve esquecer aqueles clássicos que marcou uma geração né? Por isso mesmo, em 2015 os consoles vieram lotados de games clássicos remasterizados ou até mesmo remakes deles.

Os destaques ficam para o lançamento de Resident Evil HD Remaster, a remasterização da trilogia Uncharted e o relançamento de Beyond: Two Souls.

O ano terminou com gostinho de polêmica e assuntos inacabados, e é nesse mesmo clima que deixamos um gostinho de "quero mais" para o próximo post, que falaremos sobre a treta do Kojima com a Konami, anúncios de esperados remakes e muita coisa que fizeram de 2015 inesquecível!

Feliz Ano Novo a todos os nossos partners e até 2016!

Créditos

Texto: Paloma Cristini e Igor Oliveira

O artigo apresenta as opiniões dos autores do texto e não do site Co-op Geeks.

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga