Menu
» » » » » » » As 9 Lendas Urbanas mais assustadoras do mundo


Marcelo Henrique 14.1.16


Se você acompanha séries como Sobrenatural e American Horror Story (ou já tenha, no mínimo, assistido a um episódio ou outro de forma aleatória) definitivamente deve conhecer uma infinidade de lendas urbanas que assombram a vida de todos aqueles personagens que tanto adoramos. O que muitos não sabem, porém, é que muitas dessas figuras do nosso folclore moderno, na verdade, não nasceram da televisão ou dos cinemas, e por diversas vezes nos redirecionam a origens muito mais remotas e intimistas.

Nos guiando por um forte desejo de informação, resolvemos fazer uma profunda pesquisa pelos acervos da internet e montar uma singela lista com os 9 contos menos populares (e mais tenebrosos) já criados por esse mundão afora. Seja pela terror psicológico dos japoneses ou pelo grande misticismo dos britânicos, a lista a seguir serve de lição para aprendermos que não é só de Maria Sangrenta que sobrevivem os medos das pessoas e que muita coisa interessante está a solta pelos quatro cantos do planeta.



1 – MULHER DA BOCA CORTADA [Japão]



Provavelmente a mais conhecida das 9 histórias que integram este post (mas que não poderia, de forma alguma, ficar de fora da nossa seleção) é a que trata de nos contar a possível existência de Kuchisake-Onna. Ninguém sabe, ao certo, como teria se originado a lenda da Mulher da Boca Cortada (ou do Rosto Cortado), mas, uma das versões mais recontadas pelos asiáticos é a de que uma bela mulher teria sido mutilada de orelha a orelha pelo próprio marido após uma suspeita de traição (por parte dela).

Vagando pelas ruas do Japão durante altas horas da noite, dizem que, além de usar uma máscara cirúrgica capaz de cobrir grande parte do seu rosto, a mulher misteriosa porta em suas mãos um temível par de tesouras. Perguntando para suas vítimas se “elas a acham bonita”, tanto a resposta afirmativa como a negativa não serão capazes de salvar a pele da pobre alma que cruzar o caminho da Kuchisake-Onna (e não pense que fugir é uma opção, pois ela reaparecerá na sua frente a qualquer tentativa, sempre à espera de uma resposta).

Isso porque, se você lhe disser “não”, certamente será morto às tesouradas, mas, se optar pelo “sim”, a “doce” mulher retirará a máscara do rosto e lhe surpreenderá com um nada simpático sorriso dilacerado. Voltando a questioná-las com um “e agora?”, se a vítima se contradizer e responder “não”, sem dúvidas acabará morto da mesma forma anterior; mas, se tentar agradar à donzela macabra com um “sim”, ganhará de presente da moça um novo sorriso customizado à la Kuchisake-Onna. E você com medo da Kayako Saeki de “O Grito”.

2 – POCONG [Indonésia/Malásia]


Conta a lenda que, quando uma pessoa morre, ela passa 40 dias presa dentro da sua própria mortalha (as roupas ou panos usados para cobrir um cadáver que está prestes a ser sepultado): a pocong seria exatamente esse espírito aprisionado às vestimentas fúnebres. Aguardando o mencionado prazo pacientemente, acredita-se que ela saltaria para fora de sua sepultura se nada fosse feito após a quarentena, alertando às pessoas de que os laços presos à sua cabeça, pés e pescoço precisam ser desfeitos. Uma vez desatadas as amarras (que seriam feitas necessariamente para evitar qualquer fuga do fantasma para o mundo exterior), o espírito estaria livre para partir do nosso planeta e jamais retornar.

Dizem ainda que, quando os sagrados ritos de sepultamento não são obedecidos, a pocong seria capaz de sair de seu sepulcro e vagar por aí em busca de ajuda, livremente, surpreendendo alguns desavisados que gostam de perambular pela noite. É claro que diversos vídeos e filmes acabaram sendo gravados nos últimos anos, muitos dos quais percorrem toda a internet e são bem duvidosos, como este que podemos conferir no player a seguir:


3 – DEMÔNIO DE JERSEY [EUA]


Assim como a Mulher da Boca Cortada e a Pocang, o Demônio de Jersey (ou Demônio de Leeds), o qual habitaria as florestas de Pine Barrens (em Nova Jersey, nos EUA), é outra lenda urbana que está aí aterrorizando centenas de pessoas e que você provavelmente nem tinha ouvido falar. Muito mais fantasiosa que as outras duas, ele é descrito por diversas vezes como um bípede voador com cabeça de cabra (ou cavalo), asas de morcego, patas traseiras de canguru (que terminam em cascos de cavalo), chifres de bode, patas dianteiras pequenas (que terminam em garras) e um rabo bifurcado.

Beneficiado com uma super velocidade e capaz de produzir um “grito de gelar o sangue”, o histórico da criatura nos leva para o ano de 1700, quando a esposa de um editor chamado Daniel Leeds teria dado à luz ao seu 13º filho. Taxada de bruxa por muitos que viveram àquela época, alguns dizem que o bebê seria fruto de uma relação carnal com ninguém menos que o Diabo (enquanto outros insistem na ideia de que a mulher teria apenas amaldiçoado o seu filho, sem um relacionamento direto com o Demo). O fato é que, nas duas versões do relato, o recém-nascido teria se transformado na criatura que descrevemos no parágrafo anterior e estaria solto até os dias de hoje por Pine Barrens.

4 – BARGHEST [Inglaterra]


Apesar de sofrer diversas variações (de cão negro com grandes presas e garras para gato branco, fantasma, homem sem cabeça, coelho, urso e elfo), Barghest é o nome de uma das criaturas mais temidas pelos ingleses exatamente por estar associado ao cargo de mensageiro da morte. Relatam que, ao anunciar o falecimento de alguém importante de determinada região, o Barghest liderará o restante dos cães das redondezas para juntos celebrarem uma espécie de cortejo fúnebre movido a muitos latidos e uivos ensurdecedores. Podendo tornar-se invisível e caminhar ao som de um insuportável barulho de correntes sendo arrastadas, o bicho teria como maior ponto fraco a incapacidade de atravessar rios ou qualquer outro curso de água corrente.

5 – AKA MANTO [Japão]


Confesso que cheguei a dar algumas risadas quando pesquisei no senhor Google um pouquinho mais sobre esta inusitada lenda asiática, mas foram necessários poucos instantes para meu total estado de euforia se transformar em um profundo peso na consciência. Isso porque os japoneses dizem que você não deve, em hipótese alguma, sentar-se em um vaso sanitário quando não encontrar papel higiênico à sua disposição. Calma, a gente explica!

Segundo os sábios orientais, o Aka Manto (ou Capa Vermelha) é um perverso espírito com sede de sangue que assombraria os banheiros públicos e escolares do Japão, e seria dotado de alguns hábitos bem semelhantes aos da “Mulher da Boca Cortada”. Ao sentar-se e notar que não há papel no lugar, o “gentil” fantasma lhe perguntará se você “quer papel vermelho ou azul” (ou “uma capa vermelha ou azul”, dependendo da versão da lenda).

Se responder que quer a “cor vermelha”, das duas, uma: ou a criatura te mutilará até que suas roupas se manchem com o seu próprio sangue ou ela arrancará a pele do seu corpo em uma incalculável fração de segundos (para, obviamente, permitir o “uso” da tal capa vermelha). Já, por outro lado, se optar pela “cor azul”, ou você será estrangulado até a morte (ficando com uma leve cor azulada) ou todo o sangue do seu corpo será drenado para fora dele.

Apesar de serem alternativas não cumulativas (ou seja, você deve escolher ou uma ou outra), dizem que só há três formas de se livrar do Capa Vermelha (dependendo da versão da lenda): ou a pessoa não deve escolher cor alguma, ou deve optar pelo roxo ou deve ficar com o amarelo. Como já era de se esperar, alguns contam que não dizer nada ou responder uma cor diferente da questionada permite ao espírito arrastar a sua alma direto para o inferno (o que, obviamente, não deixa muitas saídas para a pobre vítima que só pretendia fazer suas necessidades sem fazer contato com o macabro).

6 – BRUXA DA BRUMA [País de Gales]


Voltando para a Grã-Bretanha, a Gwrach y Rhibyn (Bruxa da Bruma ou da Baba) é outra criatura do folclore britânico que assusta os galeses por, assim como o Barghest, ser vista como um agouro de morte. Caracterizada como um ser de aparência feminina nada bonito e com cabelos desgrenhados, braços enrugados e murchos, asas de morcego, presas escuras no lugar de dentes e olhos profundos, sua “marca registrada” seria o agonizante grito dado no momento em que está anunciando alguma morte.

Chegando à noite até à janela da pessoa já marcada para passar dessa para a melhor, a tal bruxa não apenas chamaria o nome da vítima escolhida para vir ao seu encontro como também seria capaz de viajar invisível ao seu lado até que o evento sobrenatural acontecesse. Além de deixar suas marcas de garras nas casas visitadas, a Gwrach y Rhibyn é conhecida pelo seu incomum bater de asas, alto demais para pertencer a uma ave. Na Irlanda, existe outra bruxa mensageira da morte bem semelhante à Bruxa da Baba, mas que é chamada de Banshee.

7 – EL PETIZO [Argentina]


Aterrorizando a Argentina já há alguns anos, pouco se sabe sobre o El Petizo, mas, as escassas informações que temos a respeito são mais do que suficientes para deixar qualquer um com receio de fazer uma visitinha aos nossos queridos hermanos (ainda mais se for para participar de longas caminhadas ao luar). Em uma região conhecida como El Duraznito, conta-se que um ser sobrenatural tem atacado com frequência diversas pessoas que resolvem sair à noite, sozinhas, visivelmente vulneráveis (seis casos já teriam sido documentados).

Derrubando suas vítimas no chão e as puxando pelos cabelos, a sombra negra com a aparência de um homem em decomposição não apenas parece ser imune à armas de fogo como a qualquer objeto cortante, segundo conta os relatos de um recente sobrevivente. O garoto que saiu à noite de bicicleta para visitar alguns amigos que caçariam naquele dia teria sido atacado pelo El Petizo da mesma forma acima relatada, e, ao tentar feri-lo com uma espingarda e uma faca que levava consigo, logo percebeu que nenhum efeito surtira em seu adversário. A vítima conta que só pode ser salva da criatura porque um homem que se encontrava nas redondezas pode ouvir os seus gritos de socorro e logo correu para ajudá-la, o que teria assustado a misteriosa sombra de imediato.

Outros relatos contam que a área de atuação do El Petizo já havia sido outrora acusada de receber “estranhas luzes pelo céu”, uma clara suspeita de envolvimento de discos voadores e seres extraterrestres ao caso argentino.

8 – CHARRO NEGRO [México]


Bem popular por todo o território mexicano, a lenda urbana que conta a história de um homem vestido com um charro escuro (aquela característica roupa de um típico cavaleiro mexicano) é provavelmente uma das mais temidas de toda a América Latina. Sempre com o rosto oculto (outros dizem que apenas os seus olhos vermelhos podem ser vistos do sombrero que esconde a sua face), este misterioso homem que seria o próprio Diabo tem o costume de aparecer no deserto para aqueles que se encontram desesperados por favores financeiros, amorosos e sonhos de poder.

Persuadindo suas vítimas com promessas de realizar os seus mais íntimos desejos, diversas são as versões que falam que o charro, além de galanteador, cavalga em um cavalo fantasmagórico tão assustador quanto ele. Momentos antes de realizar os pedidos feitos por suas vítimas, dizem que o Charro Negro tem o costume de roubar aqueles mais desavisados que caem na tentação de ver seus objetivos cumpridos e não prestam atenção aos atos praticados pela alma penada.

9 – TEKE TEKE [Japão]


Nossa última assombração não poderia ser outra senão a Teke Teke, esta curiosa criatura de nome tão engraçado que toca o terror em bastante gente que mora do outro lado do mundo. Contam os japoneses que, certo dia, uma jovem garota que caminhava pelos trilhos de uma estação ferroviária acabou ficando presa por ali e, inevitavelmente, teve o azar de ser atingida por um trem que se aproximava em alta velocidade. Com o corpo decepado ao meio e agonizando no local por um longo espaço de tempo (detalhe: sem receber a ajuda de ninguém), a garota falecera ali e teria retornado ao nosso mundo sob a forma de um temido espírito vingativo (ou Onryō, para os japoneses).

Carregando uma foice consigo – e mesmo sem a parte debaixo do corpo –, a Teke Teke não pouparia ninguém que aparecesse pela sua frente – quer seja uma boa pessoa, quer não. Andando por aí apoiada pelos seus cotovelos (ou pelas mãos) e arrastando seu tronco pelo chão, a garota-fantasma estaria pronta para “fazer justiça com as próprias mãos” cortando suas vítimas ao meio em uma clássica releitura do acidente sofrera tempos atrás. Bastante ágil, dizem que ela é tão medonha que as pessoas que a olham diretamente entram em uma espécie de estado choque, e o transe que se apossa de seus corpos definitivamente colabora para evitar qualquer planejamento de fuga – a morte é quase certa. Apesar de pouco se saber sobre ela, a criatura foi batizada com este nome pois “teke teke” é o som produzido pelo seu indesejado caminhar mortal.

Bônus - WENDIGO [Canadá]


Já retratado em diversos games, animes, filmes, séries e quadrinhos, o Wendigo é uma criatura que se originou da cultura indígena norte-americana e é, muitas vezes, associada ao cometimento de canibalismo. Cheio de mistérios e incertezas, você pode conferir muito sobre este ser quase indestrutível acessando o vídeo a seguir, o assunto do Papo Geek do mês de outubro do ano passado:


Qual é a sua lenda urbana favorita? Existe alguma outra menos popular e tão assustadora que deixamos de fora da nossa lista? Conte-nos no espaço para comentários aí embaixo!

Créditos

Texto: Marcelo Henrique

O texto apresenta argumentos e opiniões do autor, e não do site Co-op Geeks.

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga