Menu
» » » » » A Colina Escarlate: O romance gótico de Del Toro


Marcelo Henrique 20.2.16


Depois de protagonizar um dos engavetamentos mais tristes da história dos videogames e chocar os fãs da franquia “Silent Hill” há pouco menos de um ano (não que tenha sido por sua culpa, é claro), finalmente chegou o momento de Guillermo del Toro virar essa página para dar continuidade à sua trajetória pelo universo cinematográfico.

Responsável por grandes títulos como “Hellboy I e II”, “O Labirinto do Fauno”, “Círculo de Fogo” entre muitos outros, é com “A Colina Escarlate” (“Crimson Peak”) que o mestre mexicano resolveu fazer seu retorno para as telonas dos cinemas não apenas como diretor, mas também como roteirista e produtor, simultaneamente.

A seguir, fizemos um apanhado sobre os pormenores mais interessantes que rodeiam o novo filme desta lenda do horror e da ficção para, quem sabe, lhe convencer a assisti-lo e conhecer um pouquinho mais sobre o conceito visionário de um dos maiores cineastas da atualidade. Confira o trailer do longa:





A sinopse




Estrelado por um elenco de peso que vai de Mia Wasikowska (“Alice No País das Maravilhas”) à Jessica Chastain (“Interestelar”) e Tom Hiddleston (“Thor”), o longa que ganhou o mundo há pouco mais de quatro meses nos conta a história de Edith Cushing (Wasikowska), uma jovem escritora filha de um magnata dos negócios norte-americano. Levando uma vida pacata trabalhando na grande empresa de seu pai, é em um dia como qualquer outro que Edith conhece o encantador Sir Thomas Sharpe (Hiddleston), um forasteiro britânico que mudará o seu futuro para sempre. Apaixonando-se pelo homem e tornando-se noiva quase de imediato, a moça se muda para a Inglaterra e passa a viver ao lado do amado e de sua cunhada, a misteriosa Lady Lucille Sharpe (Chastain), na misteriosa propriedade conhecida como “Allerdale Hall”.

Contudo, não demorará muito para a protagonista perceber que nem tudo é o que parece ser e que sua nova família esconde alguns segredos nada convencionais, bem diferentes do estilo de vida que levou anos antes no Novo Continente, no conforto e aconchego da América. Agora na gélida e amarga Europa, alguns fantasmas do passado de Edith serão revividos sob a forma da própria casa do filme, uma mansão mal assombrada que exala uma história ensanguentada pelos pecados do passado que são reiterados incansavelmente. Aprendendo a confiar em si mesma e em seus instintos mais primitivos, a moça precisará deixar o medo de lado para explorar tudo o que se oculta atrás de cada porta e parede, sempre atenta ao que as vozes do além estão dispostas a lhe revelar.

Orçamento, receita, elenco original e set de filmagens


Com um orçamento de 55 milhões de dólares, “A Colina Escarlate” conseguiu, mesmo de forma tão acanhada, superar-se através da positiva receita de 74,7 milhões, tornando-se, provavelmente, uma das superproduções mais modestas dos últimos anos. Porém, mesmo que não tenha recebido uma divulgação massiva à época de seu lançamento (pelo menos por aqui, no Brasil), alguns detalhes em especial – que variam de informações acerca do set de filmagens à escolha do elenco principal – merecem a nossa atenção.

O primeiro deles nos revela que, por mais que não tenham sido a primeira opção para estrelar o longa-metragem (Emma Stone e Benedict Cumberbatch chegaram a ser cogitados anteriormente), Mia Wasikowska e Tom Hiddleston já eram, originalmente, a segunda alternativa de Del Toro para protagonizar os seus respectivos papeis. Todavia, por motivos de incompatibilidade de agenda, Emma e Benedict não puderam cumprir com o convite, e o encargo acabou sendo transmitido aos seus sucessores naturais.

Outro ponto que vale a pena mencionar é que Guillermo mergulhou de cabeça na produção que escreveu, dirigiu e produziu, tanto que a casa do filme chegou a ser construída de verdade e por inteiro nos estúdios da “Legendary Pictures DDY” – por mais que, ao final, tenha sido demolida para abrir espaço no set de filmagens (agora já sabemos o porquê desse orçamento gigantesco).

O mesmo vale para as minas de argila vermelha que aparecem no subsolo da mansão (vídeo), nas palavras do diretor: “as entranhas da casa, o local onde os confrontos mais emotivos e violentos irão ocorrer”. Mia Wasikowska chegou a revelar durante uma entrevista promocional para o filme que “ficou muito contente por deixar o set, pois havia ficado muito abalada e assustada enquanto esteve por lá”, completando que “foram dias difíceis”.

Um romance gótico


Ademais, é importante ressaltar que, conforme o próprio diretor afirma, “A Colina Escarlate” não é um filme de terror ou suspense, mas sim “uma história de amor sombria”, um típico romance gótico – então não espere por cenas regadas à violência, carnificina ou sustos atrás de sustos. Ainda segundo Del Toro, um romance gótico é “uma tradição antiga que se aproxima muito dos contos de fadas mais obscuros”, e diferente dos clássicos do horror tradicional, o propósito deste longa não se resume apenas em derramar sangue a qualquer custo – muito pelo contrário, pois, em sentindo contrário à concorrência, “A Colina Escarlate” tenta nos convencer mais pela sua atmosfera tenebrosa e menos pelos seus efeitos especiais.

É exatamente sobre esta “história de amor” que Jessica Chastain deu a sua opinião sobre o projeto que estrelou, dizendo que “aquilo que as pessoas, às vezes, fazem por amor é o assunto do filme (...) o amor nos transforma em monstros”. Tom Hiddleston vai mais além ao adiantar que o longa “começa grande, amplo e espaçoso, mas encolhe e torna-se um mistério bem intenso”. Antes de decidir o rumo que seu projeto iria tomar, Guillermo chegou a escrever mais de dez versões para o roteiro da produção (a primeira delas em 2006), além de ter realizado algumas modificações após a escalação dos dois protagonistas e adicionado novas cenas enquanto tudo era filmado.

A crítica


Recebido de forma majoritariamente positiva pelo público, “A Colina Escarlate” acumulou as mais divergentes críticas ao redor do globo, desde medianos 69% do “Rotten Tomatoes” a tímidos 66/100 do “Metacritic” – dois dos maiores sites especializados no assunto. Todavia, quando a questão é o sobrenatural, não há pessoa mais entendida senão o maior escritor de livros de terror e suspense de todos os tempos: o incomparável Stephen King. Em sua conta oficial no Twitter, King foi categórico ao concluir que o filme era “lindo e assustador pra caramba”, que o havia “eletrizado da mesma forma que ‘A Morte do Demônio’, de Sam Raimi, [de 1981] havia feito quando o assistiu pela primeira vez”.

Mais que um terror


Em sentindo oposto ao que muitos críticos levantaram desde que o longa estrelou nos cinemas, “A Colina Escarlate”, apesar de possuir um roteiro bastante previsível e que pouco acrescenta para a trama em si, é uma produção completamente incompreendida e recheada de momentos não menos que memoráveis. Com um time de atores que dão um show de interpretação, a protagonista não poderia ter sido melhor conduzida pelas mãos de outra mulher senão pelas da australiana Mia Wasikowska, quem já havia nos cativado anteriormente em “Alice no País das Maravilhas”.

Outro grande destaque do filme fica com Jessica Chastain sob a pele da irmã de Thomas Sharpe, uma figura completamente profunda, enigmática e expressiva que parece misturar-se com toda a obscuridade de “Allerdale Hall”: se o objetivo de Del Toro foi fazer com que a casa adquirisse vida própria, Lucille Sharpe desliza por seus corredores como se fosse uma própria extensão do lugar em que cresceu e tornou-se adulta.

Abrigando uma atmosfera densa, quase impenetrável, a mansão de “A Colina Escarlate”, de fato, parece respirar e suspirar enquanto guarda dentro de si alguns dos segredos mais repugnantes já experimentados pelo ser humano, influenciando cada personagem a tomar as atitudes mais extremistas (ora insanas, ora desesperadas) de suas vidas. Conduzindo tudo isso com um requinte que é próprio de suas produções, Guillermo del Toro acerta a mão ao dar seu toque especial ao longa-metragem que, apesar de não possuir a história mais impactante de seu repertório, nos dá um pouquinho mais da genialidade que define Guillermo del Toro.

Você confere muitas outras informações e curiosidades sobre “A Colina Escarlate”, a mais recente obra de Guillermo del Toro, acessando este link.

Ficha Técnica

Título original: Crimson Peak
Ano: 2015
Direção: Guillermo del Toro
Elenco: Mia Wasikowska, Jessica Chastain, Tom Hiddleston, Charlie Hunnam e Jim Beaver

Créditos

Texto: Marcelo Henrique

As opiniões e ideias apresentadas no texto são do autor e não do site Co-op Geeks

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga