Menu
» » » » » » » » » » Uma despedida memorável: Logan (SEM SPOILERS)


Juninho Lima 7.3.17


O mundo já não é mais o mesmo: os mutantes estão quase extintos, Wolverine está morrendo e Hugh Jackman está vivendo pela última vez o carcaju. Mesmo sem sinopse, Logan é um filme que nem precisa de muitas revelações para mexer com os sentimentos de qualquer fã do Wolverine. 

Nesse clima de seriedade e despedida fui ao cinema e vou contar o que achei de Logan

ATENÇÃO: Essa análise NÃO CONTÉM SPOILERS de Logan. Prossiga despreocupado e boa leitura!

Velho amigo

Um motorista bêbado. Esse é o velho Wolverine (Hugh Jackman) que após o epílogo de "X-Men: Dias de um Futuro Esquecido", teve de se esconder e cuidar de um idoso e doente Charles Xavier (Patrick Stewart). Os mutantes foram caçados e exterminados, os X-Men não existem mais: sem muitas explicações, o filme começa sem o ar de familiaridade que deveria, no entanto, após algum tempo você se acostuma e constata: aquele é o nosso Logan, ele está velho, sua habilidade de cura acelerada não funciona com a mesma eficiência e ele está morrendo. Confira o trailer do longa:


Levando a vida como um simples chofer amargurado, o carcaju precisa deixar o anonimato de lado e se arriscar levar uma garotinha a certo lugar determinado: essa garotinha é Laura (Dafne Keen) - a X-23, que, com uma construção diferente da história original nos quadrinhos, fugiu da Transigen; uma organização que está gerando artificialmente diversos mutantes para criar soldados geneticamente modificados com base no DNA de mutantes exterminados e dentre eles está Laura, que obviamente, foi gerada à partir do código genético de Logan.

No melhor estilo The Last of Us, o velho de guerra se arrisca contra a sua vontade para levar a garota ao local seguro combinado. 

O filme definitivo do Wolverine


Se existem coisas que sempre chatearam os fãs de Wolverine, fora os furos na história em qualquer filme que envolva os X-Men, foram a falta de violência e maturidade - temos esses dois itens de sobra em Logan. Só não vá pensando que tudo é gratuito, pois o sangue na tela escorre de maneira natural e justificada.

As cenas de lutas são extremamente bem elaboradas e executadas. Diferente dos filmes anteriores, onde tudo era muito metálico e leve, nesse filme as lutas são sanguinárias e pesadas. 


Um destaque especial vai para a atriz Dafne Keen que com seus 12 anos dá vida à X-23 de maneira impecável, com cenas de luta brilhantes. É incrível como sua doçura se transforma em ferocidade em questão de segundos - guardem esse nome!

Ver nosso carcaju velho, amargurado e com feridas abertas, constrói um laço ainda maior entre o mutante e o público, somado ao fato da atuação de Hugh Jackman estar brilhante interpretando Wolverine pela última vez, é impossível assistir e não se sentir contagiado pelo sentimento de despedida.

James Mangold (Wolverine: Imortal) assina a história e a direção do filme, e dessa vez, acertou em cheio. Apesar do tom árido do filme fazer com que ele não seja familiar, o desenvolvimento dos personagens e suas relações, juntamente dos momentos em que a adrenalina toma conta da tela, são dignos de aplausos.

Diferente dos filmes anteriores, as cenas de ação não são mirabolantes e nem utilizam muita computação gráfica - e eu encaro isso como um ponto muito positivo - o exagero em qualquer filme de ação quebra qualquer vulnerabilidade e empatia pelos personagens - o que não acontece em Logan.

Sem revelar nada sobre o enredo, posso afirmar que esse é de longe o melhor filme de Wolverine.

Ainda é um filme de X-Men pela Fox

Apesar de ter gostado bastante do longa, senti que Logan tem algumas quedas de ritmo e cenas que poderiam ser encurtadas para dar lugar a informações importantes que fazem falta na construção da história. Faltam explicações sobre o que aconteceu  com o mundo nesse intervalo entre a última aparição cronológica de Wolverine (em "Dias de um Futuro Esquecido"), e uma introdução melhor sobre a degeneração do mutante que antes era imortal. No entanto, você quase esquece essas questões ao ver o renascimento do sentimento de "família" entre Wolverine, Laura e o Professor Xavier - quase.

A criação da Transigen e de certo mutante que não posso mencionar, se não é spoiler, não parece muito acertada e suas motivações parecem um tanto quanto imaturas comparadas ao roteiro original sobre a criação da X-23 - tudo é muito simples e jogado.

O filme acerta muito mais do que erra, por mais que esses erros ainda sejam marcantes.

Nosso Wolverine


Logan é a adaptação definitiva e que todos queríamos ver no cinema. Se assim como eu, você também é fã de Wolverine, vá assistir ao filme de coração aberto e atento à construção das relações, que são singulares e tocantes.

Apesar de ser um filme de ação com mutantes, o longa é marcante e carrega muito drama - ponto fortíssimo que vai te prender à história do início ao fim. 

Não tem como ignorar os deslizes de roteiro, mas eles são ofuscados pelo sentimento de emoção e de despedida para Hugh Jackman, nosso eterno Wolverine.

Vá ao cinema, leve lenços e não esqueça de deixar o seu comentário aqui em baixo após assistir ao último filme do nosso carcaju.

Ficha Técnica

Título Original: Logan
Lançamento: 2 de Março de 2017
Elenco: Hugh Jackman, Dafne Keen, Patrick Stewart e Richard E. Grant
Direção: James Mangold

Créditos

Texto: Juninho Lima

A análise apresenta as opiniões e ideias do autor do texto e não do site Co-op Geeks 

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga