Menu
» » » » » » » » Game of Thrones - 1x07 Dragonstone


Felipe Cavalcante 26.7.17


Durante semanas de antecipação sobre a estreia do primeiro episódio da sétima temporada, as notícias de que teríamos uma temporada reduzida, sem os seus habituais dez episódios e que tudo se convergia para o final, Game of Thrones surpreendeu num episódio que está montando um palco para o evento principal. Temos personagens dirigindo-se para seus destinos, tanto metaforicamente, quanto literalmente em estradas que acabam cruzando com o improvável.

ATENÇÃO!! O post a seguir conterá SPOILERS da sétima temporada de "Game of Thrones", leia com atenção!



Arya - a loba assassina as ovelhas


Começamos o episódio com uma abertura cold opening, Walder Frey dando um banquete para os seus filhos e netos, ele menciona a chegada do inverno e resolve fazer um brinde em homenagem à eles. Todos bebem, menos o Lorde Frey e as suas palavras são em "homenagem" aos homens corajosos que massacram uma mulher grávida, mataram a mãe de cinco filhos e o seu próprio rei. Os Frey começam a engasgar e cair, nesse momento Arya Stark retira o rosto de Walder Frey - ela riscou mais nomes de sua lista. 




O arco de Arya da última temporada com os Homens sem Rosto se mostrou bastante confuso e até mesmo poderia ser considerado sem sentido, claro ela recebeu todo um treinamento e ela adquiriu as habilidades de trocar de rosto, mas, um problema recorrente na série, as mecânicas mais exatas dessa habilidade ficaram num limbo de não-explicação. Ela pode se disfarçar como todos apenas trocando seu rosto? Como ela imitou a voz do Lorde Frey? As consequências da morte de todos os Frey no salão também não parece ser algo que os roteiristas estejam interessados em explorar. Outro grande problema foi a elaboração da tensão da cena, desde o início percebe-se muito claramente que aquele que está propondo o brinde não é Walder Frey, a cena decididamente perde impacto nesse momento.

Essas questões ficam para trás na cena seguinte, onde Arya encontra um bando de soldados Lannister ao redor de uma fogueira - e um deles é o Ed Sheeran, mas isso não é relevante aqui - por um momento ela provavelmente deseja roubar as espadas deles, mas um deles oferece um pedaço de coelho assado tornando-a uma convidada, em seguida eles começam a conversar sobre suas famílias, um fala sobre a mãe, o outro fala sobre a esposa grávida e sobre o filho que ele espera, então temos Arya, uma menina consumida pela vingança, percebendo que aqueles homens não são necessariamente cruéis assassinos, mas sim pessoas que estão cumprindo ordens. É um momento de humanização que se contrapõe com o massacre que Arya provocou, uma cena simples dela dividindo vinho de amora com soldados Lannister, e talvez começando a repensar seu caminho.

Jon e Sansa - e o núcleo de Winterfell




O primeiro episódio já mostrou que a relação de Jon e de Sansa como aliados governando o Norte, a primeira cena de ambos é num conselho, onde decidem o destino dos herdeiros das Casas Umber e Karstark, que se uniram com os Bolton na temporada passada. Sansa demonstra não apenas um amadurecimento, quanto um bom conhecimento estratégico quando um dos lordes sugere destruir os castelos e ela declina a ideia, mas a sua palavra tem limite quando ela mesma sugere que os traidores devam ser punidos e as terras dadas aos aliados fiéis. 

Jon tem ideias diferentes, e aqui também podemos notar o crescimento do seu personagem na recusa de executar traidores, que de certo modo não tiveram culpa alguma das ações das suas famílias. As divergências entre os dois demonstram que não apenas eles são um reflexo da maneira como foram criados - algo que Jon demonstra quando fala de Ned - como o que eles tornaram-se durante a separação. Aliás, de um modo interessante, nenhum dos dois está completamente errado: especialmente porque como Sansa lembra, a Muralha ainda está de pé e há muitos inimigos no Sul, porém Jon também precisa manter todos os aliados possíveis por causa da ameaça dos White Walkers e quando somos apresentados ao jovem Ned Umber e Alys Karstark, percebemos que eles são muito jovens.

Temos mais um dos momentos de Lyanna Mormont quando Jon afirma que todos, incluindo as mulheres, deverão lutar contra os Caminhantes Brancos e ela concorda agressivamente, mais uma vez calando o Lorde Glover. 


Depois disso nós temos uma discussão mais alongada entre Jon e Sansa, há duas comparações feitas pelos dois: Sansa diz que Joffrey não costumava ouvir os conselhos de outro, Jon por um momento afirma que Sansa parece admirar o modo irrefreável de Cersei, especialmente quando ela manda uma carta exigindo a lealdade do Norte.

Mindinho continua espreitando ao redor e sendo creepy, e creio que todos nós estamos esperando que esse personagem morra, afinal ele já cumpriu um papel na trama, agora está na hora da sua queda. Particularmente, gostaria de que Brienne e Pod fossem nomeados cavaleiros salvando a Sansa dele.

Cersei e Jaime




Cersei está em Porto Real na sala com um mapa de Westeros sendo pintado e Jaime chega, esse mapa por si só já é bastante interessante: além dele oferecer uma visão completa de Westeros apenas de muito de cima, ele é pintado no chão, de modo que Cersei pisa nas terras de Westeros enquanto caminha. 

Mas a conversa que se segue também tenta amarrar algumas ideias: primeiro, Jaime questiona a morte de Tommen e a falta de aliados de Cersei, cujo único foco agora é ganhar a guerra contra os inimigos que a rodeiam. Além disso, sua paranoia cresceu, como ela afirma "o vencedor da guerra terá uma dinastia de mil anos", sua ambição agora é permanecer no trono à qualquer custo, mesmo que seja se aliar à alguém não confiável.

E o escolhido agora é Euron Greyjoy, dessa vez o ator Pilou Asbæk fez um trabalho ao destacar um lado mais "piratesco" do nascido de ferro. A frota de mil navios prometida por ele na última temporada está pronta, e ela chega em Porto Real impressionante e aterrorizante. Jaime questiona a decisão de Cersei de se aliar com os Nascidos de Ferro, já que não apenas eles são famosos pelo pilhar, matar e estuprar, como ele mesmo já lutou contra eles. Algo que Euron Greyjoy lembra durante a sua audiência com a rainha demonstrando a sua sede por sangue.




O que Euron pede em troca de sua aliança, porém, é algo que Cersei recusa bastante firmemente de início: a sua mão em troca do apoio da Frota de Ferro, mas para provar que é digno de confiança ele decide que irá trazer um "presente" para a Rainha dos Sete Reinos, ou melhor Três.



Sam na Cidadela


Sam está na Cidadela preso em uma realidade de tarefas monótonas e nojentas, o episódio apresenta uma montagem muito engraçada e nojenta de carregar livros, limpar latrinas e servir ensopados, onde ele não está aprendendo muito sobre os White Walkers ou achando soluções para a guerra que virá. Porém, logo depois de uma conversa com o Arquimeistre Ebrose, o encarregado dele, interpretado magistralmente por Jim Broadment (o professor Slughorn e Professor Kirke de Nárnia) ele decide entrar na "seção restrita" da Grande Biblioteca da Cidadela.

O que é interessante nesta sequência do episódio é a afirmação do Mestre Ebrose que ele até acredita nos Caminhantes Brancos, mas a função dos Meistres e da Cidadela é a de ser a memória e a história do Mundo Conhecido. Realmente, como afirma Ebrose, sem a História os homens seriam reduzidos à cães que apenas esperam a próxima refeição e que durante a existência do Homem, sempre houveram momentos onde todos pensaram que o mundo iria acabar e como seguiriam em frente, mas é Sam que age, ele que busca o conhecimento escondido e tenta fazer algo com ele, e assim ele nos revela duas informações importantes: primeiro, a existência de uma montanha de vidro de dragão em Pedra do Dragão e segundo, o paradeiro de Sor Jorah Mormont.

O inimigo se aproxima...



Algo que os fãs discutiam já fazia algum tempo seria o que acontece com os cadáveres dos gigantes, agora reanimados e no meio do exército dos mortos, sob o comando dos Caminhantes Brancos, depois percebemos que isso é uma visão de Bran, ele e Meera chegaram na Muralha. Rompendo com as expectativas do que muitos de nós esperávamos, Bran não derruba a Muralha com a marca que o Rei da Noite deixou em seu braço. 

Edd Doloroso, agora o Lorde Comandante os recebe bizarramente sem muita dúvida e permite a sua passagem, logo depois que Bran prova que ele viu o Rei da Noite e sabe muito mais do que aparenta.

O Cão e a Irmandade Sem Bandeiras 



Enquanto isso temos Sandor Clegane, o Cão ainda em viagem com a Irmandade Sem Bandeiras, ao lado de Thoros de Myr e Beric Dondarion. As cenas deles não são aquelas que causam muito impacto no enredo, mas fazem parte do arco de Clegane, e isso é feito com um call back de temporadas passadas, quando o Cão retorna à pequena fazenda onde roubou a prata do pai de uma filha, que na época havia os abrigado e agora eles são dois cadáveres insepultos.  . 

O passado ainda não abandonou o Cão, e também o medo de fogo, porém ele decide olhar as chamas quando questiona a existência de algum papel maior tanto para as pessoas, quanto de Beric e dele mesmo. Nesse momentos duas coisas acontecem: a primeira, Sandor consegue ver algo nas chamas, os mortos caminhando e "uma montanha com uma forma de flecha" e depois, uma referência à um momento dos livros, onde o Cão aparentemente está trabalhando como um coveiro, e ele enterra os corpos dos camponeses no meio da noite, solitário apesar da companhia de Thoros, e talvez podendo fazer um novo caminho. 

Daenerys Targaryen chega à Westeros


A cena é completamente silenciosa, um barco sai de um dos navios da armada de Daenerys, então ela, Tyrion e o seu conselho: Missandei, Verme Cinzento e Varys também descem e chegam à terra. Pela primeira vez na vida ela toca a terra onde ela nasceu, a expressão de Emilia Clarke não é de tristeza, ou de alegria, mas talvez expresse mais um não saber o que sente. 

Ela e os dragões chegam no castelo de Pedra do Dragão, é um erro de roteiro que não haja ninguém ocupando o local, mas talvez o impacto da cena seria perdido caso houvesse um momento para explicar tudo. Daenerys atravessa a sala principal, ela olha por um momento o trono, mas não senta nele. Ela retira a bandeira de Stannis mostrando que realmente os roteiristas odeiam ele e se dirige para a sala que nós já conhecemos das temporadas anteriores, com a mesa que tem mapa de todo o continente de Westeros que foi esculpido pelo próprio Aegon, o Conquistador. Daenerys assume a sua posição ao lado de Tyrion e dirige para ele a sua única fala:" shall we begin?". Assim começando realmente a temporada e como ela mesmo afirma, talvez quebrando a roda.


O texto representa as opiniões do autor e não do site Coop-Geeks


Créditos

Texto: Felipe Lima
Revisão: Felipe Lima

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga