Menu
» » » » » » » » » » » » » » » » » Bi the way - os melhores personagens bissexuais


Felipe Cavalcante 23.9.17



Na ficção temos todo tipo de personagens diferentes e interessantes, sejam eles protagonistas eles são os grandes movimentadores das histórias nos filmes, HQs e séries, eles nos atingem e são com eles que nos identificamos, além disso a ficção é sempre um reflexo da nossa realidade, seja para melhor ou para pior, mas os escritores e roteiristas sempre partem da sua visão de mundo para criar uma história. E por causa desse impacto que a ficção tem na realidade é que temos a questão da representação dentro desses personagens, especialmente personagens LGBTQ+. E não é incomum que em filmes, séries e outras mídias as representações de personagens bissexuais sejam deles como encarnações perversas e depravadas de desejos sexuais desinibidos ou apenas como confusos e que não sabem o que querem, ou seja: muitas vezes as pessoas acham mais fácil criar um personagem que é um esteriótipo ou só se define por uma característica,  a sua orientação sexual.

Mas calma lá, que também temos personagens muito bons e representativos na sua forma de ser, existem aqueles que podem ser encarados como bissexuais e aqueles que são uma total subversão de esteriótipos que muitas vezes são prejudiciais. E por isso temos aqui uma linda lista de personagens bi/pansexuais:

 Amanita (Sense8)





Amanita, interpretada por Freema Agyeman - que também já foi uma companion em Doctor Who. Um dos problemas em se tratando de representatividade de personagens bissexuais é estabelecer que a sua atração não se restringe a apenas um gênero, no caso de Amanita, poderia-se muito bem pensar que ela é apenas lésbica, afinal está num relacionamento duradouro com a Nomi e tem aquela cena linda dentro da Parada do Orgulho Gay num grupo lésbico de motociclistas, porém, não cogitar a bissexualidade da personagem pode ser uma interpretação limitadora e existe um detalhe que grande parte do fandom de Sense8 notou de primeira: Amanita tem os cabelos tingidos nas cores da bandeira do orgulho bissexual. 
Alguns podem dizer que isso não seria suficiente para qualificá-la como bissexual, porém, detalhes interditos de uma história ou pequenos símbolos, especialmente dentro de uma série que evoca tanto a representatividade, não poderiam passar despercebidos.

Yara Greyjoy (Game of Thrones) 



No episódio 7 "The Broken Man" da sexta temporada de Game of Thrones, a personagem Yara Greyjoy e seu irmão Theon decidem ir para Volantis, e enquanto estão num prostíbulo, Yara decide se divertir com uma das prostitutas do lugar, portanto seria de se supor que ela é lésbica, porém a personagem já demonstrou interesse em homens durante a série, por isso ela seria bissexual. Enquanto nos livros a Asha Greyjoy (que teve o seu nome mudado na série) não é uma personagem bissexual, mas sim uma mulher muito confortável com a sua sexualidade, algo que é bastante incomum na cultura dos Nascidos do Ferro, na série a atriz Gemma Whelan disse que a personagem provavelmente é pansexual, no episódio "Stormborn" Yara diz num diálogo que normalmente ela sempre tem "um garoto no porto que ela chega, ou uma garota dependendo do porto", assim confirmando que ela tem interesse em ambos os sexos.


David Alleyne - Prodígio (Young Avengers)


O mutante Prodígio que ao entrar para o Instituto Xavier para Jovens Super Dotados, integrou o grupo dos Novos Mutantes. Os seus poderes incluem absorver informações de outros indivíduos, que eventualmente se torna bastante útil quando ele entra para os Jovens Vingadores, e é ali que ele assume a sua bissexualidade.

David Alleyne que além de meu crush tem uma possibilidade de relacionamento com o Hulkling (atual namorado do herói Wiccano) e tem o intelecto extremamente desenvolvido, tornando-o um dos grandes táticos da equipe e mesmo depois de perder seus poderes ainda é um membro muito importante da equipe. 

Korra e Asami (The Legend of Korra)



Na season finale de A Lenda de Korra, a continuação de Avatar, temos a formação de um casal que para muitos foi inesperado. Na primeira temporada, Mako, Asami e Korra formam um triângulo amoroso complicado, e muitos esperavam que a rivalidade das duas garotas desse triângulo: Asami e Korra, fosse alimentar-se durante o resto da história. Porém, esse cliché é passado por cima durante o desenvolvimento das personagens que se tornam muito amigas durante a série, com isso eu já estava muito feliz. Contudo, ao longo do final da temporada, muitas pequenas pistas são dadas de que o relacionamento entre Korra e Asami está se tornando muito mais forte que uma amizade. A Avatar está quebrada internamente e tendo de lidar com seus traumas, e Asami, que também tem muitos problemas, está ali para apoiá-la.

Então, no final, quando elas tem uma última conversa sozinhas, decidem visitar o Mundo Espiritual juntas, o único lugar que Asami nunca foi junto da Equipe Avatar, elas andam de mãos dadas até o portal recém-aberto para o Mundo Espiritual, olham uma para a outra com carinho e somem num espargir de luz para a próxima aventura, juntas.

Annalise Keating (How to get away with murder) 


Viola Davis fez um grande trabalho interpretando a advogada badass e hiper-competente Annalise Keating na série How to Get Away with Murder, produzida por Shonda Rymes, onde não apenas ela é uma personagem feminina extremamente forte e que por mais que tenha um gênio muito difícil, todos querem ser como ela. Não é uma personagem perfeita, ela é implacável e amoral, e também possui uma paixão e determinação na sua profissão que muitas vezes sublima as sua relações com os seus alunos (e eventuais parceiros de crime, mas não disse como), e na segunda temporada é revelada como bissexual. Na primeira temporada, ela é casada com Sam, um professor de psicologia de Middleton, porém na temporada seguinte é revelado que ela teve um caso com a advogada Eve Rothlow (Famke Janssem) num passado, e ambas até mesmo tem um grande segredo obscuro juntas. 

Magnus Bane (The Shadowhunters)


O personagem Magnus Bane é um dos mais poderosos entre o grupo dos Caçadores de Sombras na série de TV Shadowhunters baseada nos livros de Cassandra Clare. Ele é um Alto Feiticeiro do Brooklyn, com descendência asiática e um estilo bem exótico para roupas, com cerca de mais de quatro séculos de idade e que ajuda frequentemente os protagonistas, mas que ganha mais relevância quando ele passa a formar um relacionamento com o Caçador das Sombras Alec Lightwood, que ainda não saiu do armário como gay. 

De um modo muito interessante, Bane é uma subversão de um esteriótipo do "gay afeminado e frágil", porque apesar de sempre ser descrito com roupas coloridas e espalhafatosas, ele continua sendo bissexual e um dos personagens mais poderosos do grupo e como ele próprio afirma já ficou com: "homens, mulheres, fadas, bruxos, vampiros e até um gênio ou dois".

Max Caulfield (Life is Strange)


Max Caufield de Life is Strange é considerada por muitos como uma personagem bissexual, como ela afirma que ela se gosta de "garotos skatistas", porém seguindo as opções certas o jogador pode levá-la à beijar Chloe no Episódio 3. Chloe afirma que Max provavelmente também teve um crush por Rachel, algo que ela não nega, e em um dos finais ela pode beijar Warren. O jogo basicamente deixa em aberto o modo como o jogador quer interpretar a sexualidade de Max, porém, com isso podemos dizer que sim, ela é bissexual.


Iron Bull (Dragon Age: Inquisition)

Iron Bull é um mercenário da raça dos Qunari, no jogo Dragon Age: Inquisition, e é pansexual. Sendo uma das opções românticas para o jogador, tenha ele escolhido um Inquisidor feminino ou masculino, onde o jogador pode escolher engajar-se romanticamente com ele, independente de raça ou gênero escolhido. Caso tenha escolhido, Iron Bull explica para o seu kadan (que significa "onde seu coração está") que na cultura dos Qunari, é um costume fazerem dois colares com as metades de um dente de dragão, e cada um dos amantes fica com uma metade, assim, não importa onde a pessoa estiver, uma parte do seu amor estará com ela.
  Elphaba (Wicked)

A Bruxa Má do Oeste, no livro e no musical da Broadway Wicked de Gregory Maguire, tem inúmeras razões para ser a vilã detestada por todos em Oz. Nesta versão, o nome dela é Elphaba Thropp, ela é irmã mais velha de Nessarose, que eventualmente se tornaria a Bruxa Malvada do Leste, mas quando nasce é uma garotinha que nasceu sem os braços e sempre necessita da irmã mais velha. A própria Elphaba tem problemas: ela nasce com a pele verde, toda vez que ela toca água sua pele queima, então ela precisa controlar até mesmo as suas lágrimas e Elphaba também tem misteriosos poderes que assustam todos ao seu redor. Eventualmente, ela vai para a Universidade de Shiz onde ela encontra Glinda, a Bruxa Boa do Norte, com quem ela mantém uma rivalidade intensa e também conhece Fiyero Tigellar, o Príncipe da Tribo dos Winkus (uma versão dos winkies nesta história) por quem ela se apaixona. Porém, durante toda a história é muito implicado que Glinda e Elphaba também tiveram um relacionamento amoroso, e que ambas tiveram seus corações partidos quando seus caminhos se separaram para se reencontrar apenas muitos anos depois.

Outra coisa da série Wicked de Maguire, é que devido à estranheza das diferentes formas e diferentes habitantes da Terra de Oz, implica-se que todos os personagens ali podem ser bissexuais até que se prove ao contrário... E sim, até mesmo os Animais Falantes, mas isso é uma longa história...

Deadpool

Wade Wilson - o Deadpool - também conhecido por todos como o Mercenário Tagarela, é o anti-herói com o rosto desfigurado, mas fator de cura, agilidades e proezas sobre-humanas, e principalmente, o fato de que ele quebra a quarta-parede, e começa a falar com você, sim, você mesmo que está lendo esse texto agora. Ele é extremamente sarcástico, violento e quase-heroico, mas não muito.

Deadpool além de ser um dos personagens mais populares hoje, também é confirmadamente pansexual - ou seja, ele não deixa uma orientação sexual ou identidade de gênero restringir suas possibilidades românticas ou sexuais - e, de acordo com Fabian Niceza, um dos criadores do personagem nas HQs: "as células cerebrais de Deadpool estão num fluxo constante. Ele pode ser gau num minuto, hétero no seguinte etc. Tudo é válido". Recentemente, nos quadrinhos Deadpool tem feito duplas com Cable, um mutante viajante do tempo e com o próprio Peter Parker, o Homem-Aranha, com quem ele obviamente tem flertado para desespero (ou não) do Cabeça-de-Teia.

Constantine (Hellblazer)

John Constantine, um detetive ocultista de Liverpool, Inglaterra que costuma resolver casos envolvendo demônios, possessões e possíveis destruições do mundo, ele também é extremamente cínico, sarcástico, desiludido e fumante, e suas atitudes heroicas nem sempre dão muito certo. Porém, ele continua sendo um dos maiores ocultistas do Universo da DC, possuindo um vasto conhecimento em magia, invocação e divinação, sendo que em dado momento até mesmo Morfeus, o Eterno dos Sonhos de Sandman busca a sua ajuda. 

Constantine normalmente prefere trabalhar sozinho, porém ele também faz parte de duas equipes, a Brigada dos Encapotados e a Liga da Justiça Sombria, e ele é bissexual tendo tido vários amantes, homens, mulheres e alguns demônios no caminho, além da maga Zatara Zatanna e o feiticeiro Nick Necro. 
Rose Quartz (Steven Universe)

Steven Universo é um dos desenhos animados atuais que apresenta mais representatividade que muitas séries e filmes por aí, e não apenas isso, mas de uma maneira sensível e bem escrita, com um desenvolvimento de várias nuances dos personagens. Na série, temos Garnet, uma das Crystal Gems que é a encarnação viva de um relacionamento entre duas gems, Rubi e Safira, e temos Pérola, que ainda está lidando com os seus sentimentos por Rose Quartz, que aliás é a personagem bissexual da série.

Rose Quartz era a líder das Crystal Gems e iniciou uma rebelião contra o seu planeta natal, Homeworld, para manter a Terra a salvo do poder das suas superiores as Diamantes que planejavam exaurir todos os recursos da Terra e extinguir a vida no planeta, mas Rose viu potencial nos humanos e na diversidade de vida e procurou protegê-los, mesmo que com isso iniciando uma guerra. No final, depois de muito conflito ela e as suas aliadas conseguiram que as forças de Homeworld recuassem e ela passou milênios vivendo entre os humanos. Ela teve vários relacionamentos passageiros com outros homens, como confirmado por Pérola no episódio "Mr. Greg", mas Pérola nunca se importou, porque no final Rose sempre retornava para ela, até que a líder das Gems se apaixonou por um humano: Greg. Infelizmente, quando Rose engravida ela e o filho não podem existir ao mesmo tempo, então abdica de sua forma física para que Steven possa existir e para que ele possa ter algo único, complicado e extraordinário e que ela nunca pôde ter: uma vida humana.


Oberyn Martell (Game of Thrones)

Oberyn Martell, o Víbora Vermelha de Dorne da Casa Martell é um dos guerreiros e nobres mais famosos de Westeros, conhecido por ser um excelente espadachim, ele também tem a fama de usar venenos nas lâminas de suas armas, um conhecimento que Oberyn adquiriu depois de passar alguns anos estudando na Cidadela para tornar-se um Meistre, apesar de ter largado esses estudos para viajar pelo mundo. Ele faz a sua primeira aparição nos livros em "A Tormenta de Espadas", e na série no episódio "Two Swords", quando ele viaja para Porto Real com a intenção de finalmente vingar o assassinato de sua irmã Elia Martell pelas mãos de Gregor Clegane, o Montanha.

Oberyn viaja junto da sua amante Ellaria Sand, que é mãe de uma das suas filhas, as Serpentes de Areia e também é bissexual. O Víbora Vermelha é um dornês típico, destemido, de língua afiada e sangue quente, além de ser muito fiel à sua família e desde de cedo ter protegido e treinado suas filhas bastardas, as Serpentes, para saberem se defender, cada uma com suas habilidades. Outra característica dele é sua inibidez quanto a sexualidade, como ele mesmo diz: "Quando se trata de guerra, eu luto por Dorne, quando se trata de amor, eu não escolho lados".

Tanto na série, como nos livros ele encontra seu destino nas mãos do Montanha, porém ainda assim conseguindo derrotá-lo, e a sua morte inicia uma grande revolta de Dorne e o início de uma trama que poderia mudar a balança na guerra que ainda está por vir.

Ragnar e Lagertha (Vikings)

Em Vikings, o personagem principal Ragnar Lothhbrok é um guerreiro com ambições de expandir as terras do seu povo, sonhando com as riquezas das terras navegáveis além do mar aberto e é casado com Lagertha, uma mulher forte e igualmente decidida. Eventualmente, Ragnar desenvolve uma forte amizade com um jovem monge cristão que foi capturado vivo por ele, Athelstan, e em certo momento ele o convida para ter sexo à três com a sua esposa, e na segunda metade da temporada 4, Lagertha além de se envolver com um homem e sua esposa, também possui uma amante. 

O que é extremamente interessante é que a série não propõe interpretações mutuamente exclusivas sobre a moralidade dos personagens, especialmente dos vikings, como intrépidos guerreiros e conquistadores que lutam e invadem pela sua sobrevivência ou como saqueadores e pilhadores que roubam o que era legitimamente dos outros, mas também deixa bastante ambígua a relação de vários personagens masculinos que pode ser vista como uma amizade incomumente forte ou como uma possível relação amorosa, já que a sexualidade entre a cultura viking parece ser retratada mais historicamente precisa como fluída.

Harley Quinn

Harley Quinn, a Arlequina, surgiu dentro da série animada do Batman como a jovem psicóloga Harley Quinzel, que tentou tratar um dos pacientes mais perigosos do Asilo Arkham, o Coringa, e ironicamente acabou sendo manipulada psicologicamente para se apaixonar por ele e assumir o papel de ajudante dele. 

Contudo, o Coringa precisava mais de uma ajudante nos seus crimes do que realmente uma parceira para um relacionamento, e o desejo de algo mais profundo durante muito tempo foi completamente unilateral, a Arlequina estava presa num relacionamento obsessivo e abusivo com o Coringa, ou como ela o chamava o seu "pudinzinho". Porém, isso tudo muda quando ela conhece a Hera Venenosa, com quem ela passa a ter um relacionamento e também ganha imunidade à venenos e toxinas. Eventualmente, Harley passa de vilã para anti-heroína nas HQs quando se torna parta das Sereias de Gotham, com sua atual namorada, a Hera Venenosa e a Mulher-Gato e executa missões junto do Esquadrão Suicida, apesar de seu lado insano e louco ainda vir à tona às vezes.

Mulher-Maravilha

Diana de Temyscira, a Mulher-Maravilha, uma das membros fundadoras da Liga da Justiça e uma das maiores e primeiras super-heroínas das HQs. Ela nasceu na ilha de Temyscira, a Ilha Paraíso, criada pela mãe, a Rainha Hipólita, onde ela sempre acreditou ter sido feita do barro e ter adquirido vida com um sopro de Zeus, porém essa origem foi reimaginada nos Novos 52, onde ela seria, na verdade uma semideusa. 

A Mulher-Maravilha possui o Laço da Verdade, que é indestrutível e compele aquele que for preso por ele à dizer somente a verdade, as sua pulseiras, um par de braceletes indestrutíveis que ela usa para defletir balas, além de possuir super-força, super-agilidade e vôo. Os seus principais inimigos são Ares, o Deus da Guerra, a Chettah, a Dra. Veneno e o Doutor Psycho.  Em algumas HQs, a própria Mulher-Maravilha já afirmou que "ama as pessoas pelo o que elas são", e deve se tomar em conta de que a cultura dela é completamente livre do modelo de heteronormatividade e do conceito de papéis de gênero, o que se confirmou em 2016, quando ela oficializou um casamento gay e afirmou que para ela era simplesmente um casamento e mais recentemente ainda foi confirmada como uma personagem bissexual. 


No final, o impacto positivo que todos esses personagens possuem, de serem parte da comunidade LGBTQ+ e ainda assim serem mais que sua sexualidade, tendo traços positivos e negativos, e mostrando suas forças enquanto pessoas e bissexuais, é imensurável. E estamos sempre torcendo para que mais e mais escritores e roteiristas se tornem informados da necessidade da representatividade na mídia e de personagens que sejam bem escritos e partes integrais de histórias.


Créditos:

Texto: Felipe Lima
Revisão: Felipe Lima

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga