Menu
» » » » » » » » She-Ra e as Princesas do Poder - e porque você precisa assistir agora!


Felipe Cavalcante 19.5.20


She-Ra e as Princesas do Poder é uma série animada da Netflix, um reboot da série original dos anos 80, e segue a história de Adora - uma garota órfã que cresceu como uma soldado da Horda descobre uma espada mágica que a transforma na She-Ra, a Princesa Guerreira, a Escolhida que deve salvar o mundo de Eteria do mal e proteger a todos, mesmo que para isso precise se juntar aos Rebeldes. Depois de se voltar contra a Horda e o tirano líder Hordak, Adora precisa criar o seu próprio caminho, controlar os seus poderes e restabelecer a união em Eteria ao lado de dois novos amigos: a princesa Cintilante e o Arqueiro, ao mesmo tempo que enfrenta sua antiga amiga da Horda: Felina

Apesar de ter começado sendo muito criticada pela sua mudança no design original, a série se provou não apenas muito bem executada, com uma animação linda, temas relevantes e uma história cativante, como também uma referência para novas séries animadas atuais.

Uma história diferente...



Esse reboot de She-Ra apesar de trazer as mesmas questões do desenho original: a luta do bem contra do mal, a necessidade de lutar sempre e a guerra, dessa vez também traz uma bela repaginada da história original com personagens bem mais tridimensionais, diversidade e mais temas ao mesmo tempo dramáticos, complexos e sem perder a parte divertida, mágica e infantil da história.

Adora é uma personagem que possui conflito, logo no começo com a troca de lado da Horda pela Rebelião não é fácil, e os questionamentos de porque a espada a escolheu, porque só ela consegue se transformar em She-Ra e qual a origem de seus poderes guiam sua jornada tanto quanto tentando desvendar o seu passado.


Além disso, a sua relação com Cintilante e Arqueiro é muito bem construída e os dois também tem seus próprios arcos (não é um trocadilho intencional com o Arqueiro): Cintilante é uma princesa que precisa começar a construir sua própria auto-confiança e que quer orgulhar a sua mãe, a Rainha Angela, e o Arqueiro, como descobrimos mais tarde, quer se provar em uma aventura e seguir o seu próprio caminho. A amizade entre os dois é de infância e a chegada de Adora na vida deles, assim como o fato de que ela se comprova como a escolhida não vem sem problemas e confusões.

A amizade dos três não se inicia de uma vez, mas vai sendo construída a partir dos episódios, até o momento em que eles não apenas se identificam um com o outro, mas também conseguem confiar um no outro.

Felina, um vilã cativante e temas maduros...



A relação de Adora com Felina também é um destaque na história: as duas são órfãs e viveram juntas desde a infância crescendo nas instalações da Horda sobre a regência da feiticeira Sombria, e criaram uma cumplicidade e amizade que se vê testada quando Adora muda de lado. 

A personagem da Felina é muito interessante, ela desde criança sofre os abusos da criação por Sombria, que por sua vez serve à Hordak. Ela ao mesmo tempo que enxerga o lado de Adora que sempre esteve ao seu lado em todos os momentos, também traz à tona o fato de que todos acham que Adora é muito melhor que ela. O tratamento de Sombria com as duas é muito diferente, e, ao longo da série, Felina vai descobrindo que agora sozinha, tudo o que lhe resta é obter e conquistar poder que antes não tinha. Se ela não pode estar do lado de Adora na Horda, ela vai se tornar melhor que ela na Horda e se tornar sua pior inimiga.



Por causa dessa questão Felina passa a ter um comportamento auto-destrutivo, todas as relações que se aproximam dela, ela afasta, machuca e repete constantemente que vai ser abandonada, exatamente como foi abandonada por Adora e quando elas, enfim se afastam, ela culpa a pessoa que se afastou. She-Ra traz uma personagem vilã que não apenas é complexa, também é vítima e abusadora num ciclo de relação tóxica que normalmente não vemos em séries animadas.

Além disso, sem dar muitos spoilers, mas todos os vilões da série tem motivações interessantes e críveis para sua construção e os personagens são bastante móveis, sempre tendo uma novidade em relação ao que está acontecendo com eles naquele momento.

Representatividade bem executada




Outra coisa incrível em She-Ra é a sua diversidade de personagens, além de diversas personagens femininas, todas princesas com diferentes poderes, tipos de corpos, designs e personalidades a quem somos apresentados como Perfuma, Gélida e Serena, também temos personagens LGBTQ+, como o casal Netossa e Spinerella, e outros personagens com diversas identidades de gênero e orientações, além de termos diferentes culturas dentro de cada reino. O desenho procura sempre criar personagens diferente e na medida do possível reais.



Enfim, She-Ra e as Princesas do Poder é um projeto ambicioso e maravilhosamente bem-feito, Noelle Stevenson, a showrunner e criadora executiva da animação, trouxe uma visão muito detalhada, diversa e inovadora para a história da Princesa Guerreira, provando que histórias como essa merecem ser contadas  e o público sempre estará de braços abertos para elas. 


A quinta e última temporada de She-Ra estreou agora na Netflix no dia 15 de maio com a sua grande season finale.


Créditos

Texto: Felipe Lima
Revisão: Felipe Lima


«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga