Menu
» » » » » » Godless, a terra de ninguém


Valentina Gaztañaga 1.8.20


O que aconteceria se todos os homens da cidade morressem em um evento desastroso e suas mulheres tivessem que lidar com todas as consequências sem a ajuda de outros homens?

Se você pensou que daria tudo errado, possivelmente, mas não pelos motivos que você acredita…

Frank Griffin está sendo caçado pelo ex-protegido Roy Goode. Durante um confronto ele encontra ajuda e abrigo na cidade de La Belle, no Novo México, uma cidade habitada majoritariamente por mulheres.

Godless, minissérie original da Netflix, foi lançada em 2017 e continua sendo uma das jóias da locadora vermelha perdida em seu próprio catálogo. Dirigida por Scott Frank (diretor do filme Logan, 2017) com roteiro original escrito por ele mesmo, os 7 episódios sobre esta terra de ninguém estão completos e disponíveis para maratonar.

Quer diálogos desconcertantes e humor ácido? Então toma este segundo episódio. A cena da negociação entre as mulheres da cidade e o representante da empresa de mineração revela o tom do subtexto da série.


Fica impossível não pensar em toda discussão de desigualdade entre gêneros que a sociedade ainda enfrenta, mas talvez a série possibilite uma nova entrada. Será mesmo que estamos observando uma disputa entre homens e mulheres ou talvez o jogo de poder retratado fale mais sobre a queda de braço que há entre Poder Centralizado e indivíduos?

Falar de Feminismo tem ficado mais simples. Em revistas, filmes, livros, TV, protestos nas ruas das principais cidades, lentamente ou não, mudanças estão ocorrendo no modo como as pessoas encaram a diferença histórica. No entanto, há algo que muita gente ainda faz confusão, a base das discussões de gênero não é a caracterização de uma essência feminina, a criação desse mito ajuda no jogo de narrativas, uma das armas para perpetuar o poder nas mãos de grupos influentes ao longo da História. Mas se o Feminismo não está nem aí para O Feminino, qual é a sua principal luta? Política. Um indivíduo deveria ser livre para exercer qualquer posição de poder na sociedade sem que seu sexo biológico seja um obstáculo. A partir daí, se desenrolam todas as outras causas que já ouvimos por aí. Soma-se à luta, questões etnico-raciais e econômicas. Sim, o caldeirão que chamamos de Diversidade.


O design de som e a trilha sonora dão um show a parte. Além de ser visualmente impactante, Godless é sobretudo para quem tem ouvidos afiados.

A produção leva em conta muitos elementos do universo cinematográfico, e se não fosse pelo encadeamento da narrativa, você realmente teria certeza de que está assistindo um filme em 7 partes.

Se você curte uma boa paródia mais realista de costumes e hábitos da sociedade, vai gostar de acompanhar a série e dar boas risadas com um humor sarcástico apimentado como um prato típico de TexMex.

Créditos

Texto e revisão: Valentina Gaztañaga

O artigo apresenta as opiniões do autor do texto e não do site Co-op Geeks.

«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga