Menu
» » » » » » » » » » » » » 7 criaturas folclóricas que queremos ver na segunda temporada de Cidade Invisível


Felipe Cavalcante 11.2.21

Imagem de capa: cena de Cidade Invisível, na qual a personagem Inês, interpretada por Alessandra Negrini, uma mulher branca em uma roupa em tons de preto e azul, em uma sala de médico, como um consultório ou uma sala de autópsia, cercada de inúmeras borboletas azuis.


A série Cidade Invisível da Netflix chegou com a sua primeira temporada com a aparição de vários seres das lendas e histórias do folclore brasileiro. 

A série protagonizada por Marcos Pigossi e Alessandra Negrini, apesar de alguns problemas de roteiro e representatividade de personagens indígenas, fez um relativo sucesso e pode ser renovada para uma nova temporada pela plataforma de streaming, continuando a história de Eric (Pigossi) em meio das entidades folclóricas vivendo escondidas entre nós. 

Então decidimos fazer uma lista de criaturas do folclore que podem fazer uma aparição na segunda temporada da série.


Mapinguari

Imagem: ilustração do Mapinguari em aquarela, o monstro enorme e cheio de pelos com um único olho azul e uma enorme boca que vem do seu focinho até embaixo onde deveria ser o seu focinho.

Uma das criaturas mais conhecidas do folclore na região Norte do país, o Mapinguari é uma criatura enorme de um olho apenas, o corpo coberto de pêlos avermelhados e uma enorme boca que vai da boca até o meio da barriga, além de exalar um cheiro horrível que faz desmaiar qualquer homem que se aproxime dele. 

O Mapinguari tem o corpo imune à balas e pode apenas ser atingido na região do umbigo e quando agarra suas vítimas, arranca os membros, devorando-os pedaço por pedaço e sempre começando pela cabeça.


Matinta Pereira

Imagem: ilustração que traz a Matinta como uma velha com feições de pássaro, o longo nariz e o queixo formando um bico, longos braços cobertos de penas como asas, um capuz e segurando um cajado de madeira.

Ilustração Jor Santos

A Matinta Pereira é sempre representada como uma velha bruxa que assume a forma de uma coruja durante as noites de lua cheia, sobrevoando os muros e telhados das casas e assobiando de forma estridente.


Elas ficam assombrando as casas e só param quando o morador promete em voz alta um pouco de fumo ou café, que a matinta virá buscar na manhã seguinte em sua forma humana. Dizem que as Matintas assobiam pelo osso da perna de crianças que morreram pagãs e que quando estão prestes a morrer saem por aí gritando "Quem quer? Quem quer?" e se algum desavisado responder "eu quero", pensando ser um presente, recebe a maldição de se tornar uma matinta.


Pisadeira

Imagem: ilustração feita com recortes que mostra uma moça dormindo em sua cama e uma figura assustadora flutuando acima dela. A figura que é a Pisadeira tem o corpo feminino, usa um vestido preto, mas o rosto é o crânio de um cavalo, e os cabelos estão presos detrás de um capuz ou pano preto.


A personagem folclórica Pisadeira, que ficou eternizada pelo meme de "piso porque meu destino é pisar" na novela Mutantes - Caminhos do Coração pode ter a sua redenção sendo repaginada na série Cidade Invisível.


No folclore, a Pisadeira é uma entidade que tem a forma de uma bruxa com uma aparência medonha, longos cabelos, unhas compridas e que invade o quarto dos incautos, sufocando as pessoas em seu sono ao pisar em seu peito e deixando a vítima em um estado letárgico, sem poder se mexer e sem ar.


Quibungo


Imagem: ilustração do quibungo, um monstrengo de pelos verdes, olhos sem cor, presas aparentes na boca e em suas costas, uma segunda boca, como uma enorme fenda de dentes afiados.


O Quibungo é um tipo de bicho-papão que assombra as regiões próximas da mata. Ele tem a aparência de um monstro de pelos escuros e dentes afiados, além de possuir uma segunda boca que se estende pelas suas costas, por onde ele devora as crianças desobedientes com apenas uma bocada. 


Alamoa

Imagem: ilustração em preto e branco, como que feita em giz de uma mulher branca com os cabelos longos flutuando no fundo preto.


A lenda da Alamoa conta que essa assombração tem a aparência de uma mulher sedutora, de pele muito branca e cabelos longos e loiros, surgindo seminua nas noites de tempestade ou sem luar nas praias nordestinas e atraindo os olhares dos homens e marinheiros próximos, muitas vezes atraindo-os para se afogarem nas águas revoltas.


Outras variações da lenda dizem que ao se aproximar da Alamoa, os homens conseguem ver que ela está morta e é apenas um cadáver. 


Boitatá

Imagem: ilustração de uma enorme serpente em tons de roxo e amarelo com o corpo coberto de vários olhos amarelos como que feitos de fogo e lava, a boca da serpente está aberta, mostrando sua língua e presas afiadas.

Ilustração por @acentauric

O Boitatá ou Mboitatá é uma enorme serpente feita de fogo e que reside dentro dos rios e lagoas, saindo apenas para assombrar as pessoas que incendeiam a mata, devorando-as ou cegando-as com a luz do seu fogo.

Algumas variações de sua lenda dizem que ela se tornou uma serpente de fogo depois de ter sobrevivido a um grande dilúvio, e, depois de sair da toca onde estava adormecida, ter devorado os olhos dos cadáveres dos animais que estavam no seu caminho, roubando a luz dos olhos e transformando-se em chama. 


Capelobo

Imagem: ilustração do capelobo como uma criatura meio-humana com a cabeça de um tamanduá com a língua comprida tentando alcançar um formigueiro no primeiro plano, crânios ao seu redor e lá longe silhuetas de árvores.


Ilustração por Hugo Souza

O Capelobo é uma criatura do folclore com um corpo humano cheio de pelos, a cabeça e o focinho de um tamanduá-bandeira e braços e patas muito fortes com garras afiadas, como as de uma preguiça. Ele é um ser muito veloz e gosta de correr por entre as matas e várzeas durante a noite, e muitas vezes ataca os caçadores ou incautos que encontra pelo caminho, atacando-os e bebendo o seu sangue com sua comprida língua. 


O capelobo, além de muito perigoso, só pode ser ferido com um tiro na região da barriga, onde a sua pele de couro é mais macia. 




A segunda temporada de Cidade Invisível ainda não foi confirmada pela Netflix.

 


Créditos


Texto: Felipe Lima

Revisão: Felipe Lima





«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga