Menu
» » » » » » » » » » » » Review: Para Todos Os Garotos: Agora e Para Sempre (COM SPOILERS)


Maysa Nascimento 13.2.21

Imagem de capa: Um close dos atores Noah Centineo e Lana Condor, nos personagens para o filme Para Todos os Garotos, Peter Kavinsky e Lara Jean, ele branco com cabelo preto ondulado, de camisa social cinza, com as duas mãos no rosto de Lana, asiática com os cabelos lisos e pretos puxados para trás por uma tiara amarela de bolinhas pretas. Eles estão se olhando e sorrindo, logo antes de um beijo.

ATENÇÃO: Este texto contém SPOILERS do filme "Para todos os garotos: Agora e Para Sempre"!


Se tem uma coisa que Lara Jean Song Covey com toda certeza é... deve ser romântica. Se teve uma coisa que Lana Condor trouxe para o personagem escrita por Jenny Han, foi carisma. O tão aguardado desfecho da história de Lara Jean e Peter Kavinsky, e de uma forma tão madura e não tão… comédia romântica teen. 

Estreou nesta sexta-feira, 12, a adaptação da Netflix, Para todos Os garotos que Já Amei: Agora e Para Sempre, onde Lana Condor, Janel Parrish, Anna Cathcart, John Corbett e o queridinho da Netflix Noah Centineo, retornam para os papéis que fazem tantxs garotxs suspirar já há pelo menos 3 anos. 

De uma forma ou de outra, o último filme deixou ainda mais claro a química entre o casal protagonista e a leveza com que esse filme escolheu tratar de temas sérios, como o segundo casamento do pai de Lara Jean, a escolha da faculdade, as relações entre pai e filho, e porque não, a influência do encerramento de um ciclo que é o ensino médio e o grande salto para o desconhecido, para a idade adulta, mas sem perder a mão da importância dos mesmos. 

O filme inicia com uma sonhada viagem de férias da família (com a nova namorada do Papai) até a Coréia, onde as meninas se sentem extremamente conectadas com a mãe. Nessa viagem, é possível perceber a força da conexão entre Lara Jean e Peter, onde há videochamadas, fotos e presentes.  Quando Lara Jean volta de viagem, os planos de irem para a mesma faculdade permeiam todas as decisões dela, tanto quanto as de Peter, onde fica claro para ambos que não existe outra forma que não partilhar todos os dias.



Gif: O personagem Peter Kavinsky, branco, vestindo um jeans preto, moletom azul marinho aberto e mangas repuxadas e camiseta vermelha saindo com expectativa do elevador, encontrando a personagem Lara Jean, saindo de um elevador paralelo, com um jeans claro, uma blusinha de mangas azul claro e mochila rosa, com o cabelo preto e longo semi-preso com um prendedor. Ambos desembarcam com expectativa no lobby de um hotel.



Claro que para a romântica personagem, os acontecimentos do casal são sempre pontuados por comparações com as clássicas rom-coms do cinema hollywoodiano, como a forma de conhecer o par, a música-tema do casal… e essas coisas são ressaltadas em todos os momentos do filme, até quando Peter sugere Oasis para ser uma das bandas-tema, e eu, particularmente, torci muito para que “Don’t Go Away” fosse a música do casal.

Mas… Nope.


Com os resultados das universidades chegando aos alunos, Peter acaba sabendo antes que vai pra Stanford, com uma bolsa de estudos para atletas, comum nos Estados Unidos. Quando o resultado de Lara Jean sai, dias mais tarde, todos os planos caem por água abaixo: Ela não foi aprovada, e de repente sente muito que é o fim, a vida já não tem mais sentido. Sendo consolada pelas irmãs e pela melhor amiga, Margot, a irmã mais velha, lembra das possibilidades de atravessar o país e conhecer novos lugares, novas pessoas e é rudemente tratada. Na tentativa de fazer as pazes, Lara Jean acaba mandando a mensagem errada para Peter, dando a entender que passou em Stanford, já deixando claro o plot principal do filme.


O plot segue em torno dos acontecimentos decorrentes da decisão de escolher uma outra universidade (UC Berkeley - 1h de carro de Stanford, ou NYU - 1 dia de carro de Stanford), mas sem deixar o amado na mão, e também a convivência da família Covey com a nova madrasta, o “apagamento” da mãe das meninas da casa, a permissão das meninas em conviver com uma nova mãe…E a relação do Peter com o pai. Lara Jean, uma namorada empenhada em proporcionar pro namorado distrações e carinhos para demonstrar que a distância não vai ser um problema, é essencial para ajudar Peter a decidir finalmente encontrar-se com o pai, não numa tentativa de compensação, mas também um pedido de desculpas, por todo o abandono. 



Imagem: Um close do rosto do ator Noah Centineo, caracterizado como o personagem Peter Kavinsky, de moletom escuro. O fundo está fora de foco e ele olha sério e consternado para sua direita.


A grande decisão de Lara Jean aparece ao personagem antes mesmo dela tomar a decisão: na viagem do colégio à Nova Iorque, ela e Peter acabam por ficar em grupos distintos, o que permite uma nova perspectiva sobre a cidade, o que faz com que ela se permita sonhar diferente, e querer diferente, e aí o filme deixa claro que a distância não é tão simples, já que mostra um leve esfriar de convivência entre o casal no fim do dia separados. A ideia de ir para NY não é de pronto aceita por Peter, mas que com um novo contrato, no fim do filme, deixa claro que as possibilidades existem sim, e que, Lara Jean, no fim, conseguiu o amor de filme que tanto queria e sonhava. 



Gif: A personagem Lara Jean parada na porta da sua casa, olhando para fora com expectativa e agradável surpresa, com uma blusa de moletom azul, deixando os punhos embaixo do queixo, típica posição romântica. Os cabelos pretos estão semi presos atrás da cabeça. O fundo está desfocado.


Agora e Para Sempre é, também uma rom-com clichêzíssima, com o roteiro padrão que conhecemos (e amamos), mas ao mesmo tempo, deixa de lado os clássicos: a inimiga do primeiro filme, que arma e faz esquemas, é no fim uma amiga, e coleguinha de rolê, o grande término que geralmente é ocasionado por um grande acontecimento, aposta, mentira, nesse filme nada mais é do que o amadurecimento de seguir caminhos diferentes, ou não conseguir manter um relacionamento à distância. Ou seja, nem sempre o grande vilão do relacionamento ideal é alguém de fora, às vezes somos nós mesmos, sonhos e decisões que queremos à parte do relacionamento, como indivíduos que somos. Mas ao mesmo tempo, deixa bem claro que, uma vez decididos dentro de um mesmo propósito, nenhuma distância é suficiente para separar um casal que todos os dias, mesmo no coração, decide ficar juntinho.




Créditos:


Texto: Maysa Nascimento

Revisão: Maysa Nascimento e Felipe Lima





«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga