Menu
» » » » » » » » » » » » Loki - 1x01 (REVIEW COM SPOILERS)


Felipe Cavalcante 10.6.21

Imagem: fundo de padrão marrom com dourado e um relógio, e na frente, o personagem Loki, interpretado por Tom Hiddleston, um homem branco e magro, de olhos azuis e longos cabelos pretos, em um uniforme de prisioneiro bege com detalhes vermelhos e uma coleira eletrônica no pescoço.

 

A aguardada série do Loki finalmente chegou no Disney Plus, com o ator Tom Hiddleston retornando para o papel principal como o Deus da Trapaça, desta vez enfrentando um destino incerto em um primeiro episódio bastante sofisticado e divertido.


ATENÇÃO! Esse review contém SPOILERS do primeiro episódio de 'Loki'. Leia com cuidado.

Imagem: o personagem Loki, em sua armadura verde com detalhes dourados e capa preta, sentado em um deserto.


O episódio se inicia com a cena já famosa de Vingadores: Ultimato em que vemos o Loki fugindo da sua captura em Nova York com o Tesseract e vemos que ele se transportou para o meio do Deserto de Gobi, onde ele é encontrado por alguns locais.

E imediatamente ele é capturado por agentes da Autoridade de Variação Temporal - ou A.V.T. - e como vamos aprender ao longo do episódio, são basicamente aqueles que regulam o fluxo do tempo e espaço para que não haja nenhuma variante dentro da linha temporal da Marvel.

Trocando em miúdos: caso alguém tente mudar a história e criar uma nova linha temporal em que algo não acontece do jeito que deveria, os agentes da A.V.T. irão consertar a situação, ocasionalmente deletando essa pessoa da existência.

Mas o que foi o destaque do episódio não foi apenas a existência de uma agência que controla os distúrbios temporais, mas sim o humor do episódio com o Loki de 2012 enfrentando o pior dos inimigos de todos: a burocracia.


Imagem: cenas recortadas da Senhorita Minutos, uma personagem de um relógio antropomórfico marrom, com cílios nos olhos e pequenas botinhas em um monitor de televisão antigo e ao lado o personagem Loki, olhando confuso para o lado, em um uniforme de prisioneiro bege com detalhes vermelhos.


Desde preencher diversos documentos de uma papelada até precisar assistir uma animação à la anos 50 com a Senhorita Minutos explicando a função da Autoridade de Variação Temporal, toda a atmosfera da A.V.T. é construída com uma burocracia cheia de surrealismo e ver o Loki precisar ceder ao que é requisitado dele nos dá cenas com timing de humor perfeitas e tudo isso sendo regido por uma magnífica trilha sonora de sintetizadores de Sci-Fi de anos 70.


Imagem: um fundo de madeira com três rostos inumanos esculpidos, e na frente, uma personagem interpretada por uma mulher negra, em trajes formais cor bege, com uma gravata vermelha e uma faixa, sentada em um tablado de corte de tribunal de mãos cruzadas olhando para frente.


E, é claro, Loki sendo quem é tenta escapar (sem sucesso) pelas beiradinhas e brechas durante o seu julgamento, presidido pela personagem e juíza Ravonna (Gugu Mbatha-Raw) que não apenas nos esclarece um pouco sobre a questão das variantes temporais, daquilo que deveria e não deveria acontecer na linha do tempo, mas também sobre algumas faltas de sentindo na A.V.T.

A série Loki deve trabalhar futuramente algumas questões como livre arbítrio e identidade, como a que segue Loki quando ele descobre que o maior poder do universo é confuso, burocrata e que não se importa de verdade com o que você é.


Imagem: fundo de uma igreja com uma janela de vitral com uma figura de um demônio sentado em um trono com chamas e fundo azul acima da parede, a janela iluminando o personagem de Owen Wilson, um homem em um terno marrom ao lado de uma garotinha em roupas maltrapilhas e um oficial da A.V.T. em uma roupa preta de agente com capacete e proteção.

Nesse momento somos apresentados ao Agente Mobius (Owen Wilson), um dos agentes da A.V.T. que está investigando o assassinato de outros agentes causado por uma variante e decide que a sua melhor chance será usar Loki em seus planos.

Outro ponto deixado no episódio é a interação dele com uma garotinha, enquanto estão ainda na investigação em que ele consegue uma pista sobre a variante que matou os agentes: ela se parece com um demônio.

E alguns de nós podemos até acreditar que o grande vilão é o Mefisto (vai ser Wandavision tudo de novo, não?), mas parece muito mais provável que na verdade a pessoa que esteja atacando os agentes seja uma das versões do Loki, mais provavelmente a Lady Loki, que tanto foi especulada a fazer uma aparição na série.

Afinal, a figura do diabo na janela tem cabelos longos, chifres como no elmo do Loki e está vestida de verde... 




Mas o maior destaque do episódio deve ser para a dedicação do episódio em nos revelar e entender realmente Loki, as suas motivações e, principalmente, suas inseguranças e nos brindar com uma maravilhosa finalização de conclusão do próprio Loki ao rever os momentos de sua vida: tudo o que ele fez foi apenas uma ilusão, projetada por alguém mais fraco, na tentativa de agarrar poder.

O primeiro episódio de Loki foi intrigante, divertido e magnético, assim como o seu personagem protagonista e a série parece que, também assim como seu protagonista, terá muito potencial a ser explorado. 


Créditos


Texto: Felipe Lima

Revisão: Felipe Lima



«
Próximo
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga